Celebrando Com Alegria

Celebrando Com Alegria
Texto: Esdras 6:13-22

Introdução: Depois que os israelitas retornaram a Jerusalém, restauraram o altar e lançaram o fundamento do templo. Tão logo eles determinaram reconstruir o templo eles encontraram muita oposição (Esdras 4). Aqueles que se opuseram à reconstrução do templo eram samaritanos, descendentes das raças mestiças. Eles se estabeleceram na terra após a captura dos judeus e ao ouvir que os judeus estavam construindo o templo, solicitaram Zorobabel para ajudar com a obra (Esdras 4:2). Zorobabel e Jesuá responderam: "Não convém que vós e nós edifiquemos casa a nosso Deus: mas nós sozinhos a edificaremos ao Senhor..." (Esdras 4:3). Se somos tentados a pensar que Zorobabel e Jesuá estavam sendo teimosos ou agindo de maneira superior a esses samaritanos, devemos pensar duas vezes sobre essa conclusão. Este grupo de pessoas tentavam adorar a Jeová enquanto, ao mesmo tempo, adoravam seus próprios deuses (2 Reis 17:33). Eles eram claramente inimigos da obra do Senhor e, como tais, não podiam cooperar com o povo de Deus.

Enquanto os inimigos da obra de Deus nunca podem pará-la completamente, eles podem retardá-la e às vezes impedir seu progresso. E foi o que aconteceu neste caso. A reconstrução do templo parou. Mas Deus enviou uma mensagem por intermédio de seu profeta Ageu: "No segundo ano do rei Dario, no sexto mês, no primeiro dia do mês, veio a palavra do Senhor, por intermédio do profeta Ageu, a Zorobabel, governador de Judá, filho de Sealtiel, e a Josué, o sumo sacerdote, filho de Jeozadaque, dizendo: Assim fala o Senhor dos exércitos, dizendo: Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo de se edificar a casa do Senhor. Veio, pois, a palavra do Senhor, por intermédio do profeta Ageu, dizendo: Acaso é tempo de habitardes nas vossas casas forradas, enquanto esta casa fica desolada?" (Ageu 1:1-4). A mensagem de Deus funcionou! Cerca de três semanas depois de Ageu profetizar, o trabalho no templo começou novamente (Ageu 1:14-15).

Uma vez que os judeus começaram a reconstruir o templo, os líderes políticos das regiões circunvizinhas ficaram preocupados (Esdras 5:3-5). "Tatenai, o governador da província a oeste do Rio..." (Esdras 5:3) veio e indagou quem deu as ordens e autoridade para a casa de Deus e o muro serem construídos. Esdras 5:6-7 introduz a carta de Tatenai a Dario. A carta repete a resposta judaica à primeira das perguntas de Tatenai: "Quem vos deu ordem para edificar esta casa, e completar este muro?"(Esdras 5:9). Então, depois de explicar por que o templo precisava ser reconstruído (Esdras 5:11-12), os judeus recapitularam o decreto de Ciro, como encontrado em Esdras 1. Esta resposta respondeu à pergunta de Tatenai. Em seguida, os judeus passaram a explicar um pouco mais sobre o projeto de restauração, especialmente com relação ao retorno dos utensílios sagrados ao templo. Presumivelmente o objetivo deles era autenticar o compromisso de Ciro com o projeto.

A carta de Tatenai termina no final de Esdras 5 com a recomendação de que o rei Dario conduzisse "uma busca nos arquivos reais" (Esdras 5:17). Esta "busca" seria evidência para a alegação judaica de que Ciro havia dado autorização para o trabalho que estava sendo feito. Esdras 6 abre com a resposta de Dario. Ele seguiu o pedido de Tatenai e procurou registros que autorizassem os projetos de construção. E "em Ecbatana, a capital, que está na província da Média, se achou um rolo" (Esdras 6:2), que continha informações semelhantes à de Esdras 1. Esse "rolo" deu credibilidade à alegação judaica de que Eles tinham a autorização de Ciro para fazer o trabalho. Dario fez algumas atualizações ao decreto original e era evidente que ele apoiava a obra de Deus no templo. À medida que se inicia o texto do nosso sermão, a autorização atualizada de Ciro através de Dario é realizada.

1. Os decretos seguidos (Esdras 6:13-14)

Verso 13 "Então Tatenai, o governador a oeste do Rio, Setar-Bozenai, e os seus companheiros executaram com toda a diligência o que mandara o rei Dario"

"Tatenai" era "governador" ou supervisor de uma porção de território através do Eufrates. "Setar-Bozenai" era um indivíduo que exercia o papel de um taquígrafo ou registrador de registros oficiais. Uma vez que receberam ordens de "Dario, o rei", para que os judeus construíssem em paz, não perderam tempo em cumprir suas ordens (Esdras 6:1-12). Era uma ofensa séria nos tempos bíblicos desafiar ou desobedecer a ordem de um rei. Deve ter trazido grande alegria e alívio a Esdras e ao povo ouvir que estes dois oficiais estavam cumprindo o decreto de Dario.
Às vezes, o povo de Deus deve esperar que todas as peças se unam para prosseguir com a obra de Deus. As coisas muitas vezes não fluem suavemente em nossos empreendimentos para o Senhor. Mas, uma vez que tudo estiver em seu lugar, o trabalho deve prosseguir "diligentemente". A palavra "diligentemente" significa "cuidadosamente, com empenho e rapidamente".

Versículo 14 "Assim os anciãos dos judeus iam edificando e prosperando pela profecia de Ageu o profeta e de Zacarias, filho de Ido. Edificaram e acabaram a casa de acordo com o mandado do Deus de Israel, e de acordo com o decreto de Ciro, e de Dario, e de Artaxerxes, rei da Pérsia”

"Assim os anciãos dos judeus iam edificando..." é uma referência aos homens mais velhos que cuidavam ou supervisionavam o trabalho. O trabalho "prosperou" significa "foi bem" ou foi bem-sucedido. O edifício foi bem-sucedido porque foi "pela profecia de Ageu o profeta e de Zacarias, filho de Ido". A "profecia" significava que esses profetas tinham uma palavra de Deus. Toda obra para Deus deve começar com uma palavra de Deus. As mensagens severas e poderosas de Ageu tinham servido para estimular o povo e renovar um senso de responsabilidade pelo trabalho a ser feito. O povo de Deus precisa de um líder designado por Deus para encorajá-los e desafiá-los a fazer o que Deus os chamou a fazer.

"Zacarias" era o profeta das visões. Suas visões, embora um pouco diferentes da pregação de Ageu também deu esperança e encorajamento ao povo. Uma palavra particular de Zacarias que teria trazido grande esperança é: "Portanto, o Senhor diz assim: Voltei-me, agora, para Jerusalém com misericórdia; nela será edificada a minha casa, diz o Senhor dos exércitos, e o cordel será estendido sobre Jerusalém" (Zacarias 1:16).

"Edificaram e acabaram a casa de acordo com o mandado do Deus de Israel", enfatiza que o trabalho que eles estavam fazendo era mais do que apenas um projeto de construção física. Esta era uma obra espiritual que tinha de ser feita "de acordo com o mandamento do Deus de Israel". A obediência é ainda melhor que o sacrifício (1 Samuel 15:22). Eles "acabaram" significava que o trabalho foi feito corretamente desde a fundação até o nível superior de pedras. Nada foi deixado de lado. Eles também fizeram a obra "de acordo com o mandamento de Ciro, e Dario, e Artaxerxes, rei da Pérsia".

Além dos profetas "Ageu" e "Zacarias", o Espírito Santo registra para nós os nomes de três monarcas persas. "Ciro" foi quem deu a ordem e autoridade originais para os judeus construírem e "Dario", um de seus sucessores, deu ordens para que a obra retomasse e continuasse. A menção de "Artaxerxes rei da Pérsia" é mais incomum porquê de acordo com a história cronológica, "Artaxerxes" não se tornaria realmente rei da Pérsia até cerca de 50 anos depois. Ele já foi mencionado em Esdras 4:7, o que também teria sido antes de seu reinado real. Só se pode especular sobre como um rei que ainda não reinou é mencionado como parte da obra de Deus sendo completada. Certamente Deus poderia ter mostrado ao seu profeta Esdras o futuro antes que acontecesse. Isso pode ter sido o caso aqui, mas parece que a principal razão que "Artaxerxes" é mencionado é que Esdras está mais preocupado com a forma como Deus fez tudo isso em vez de listar tudo em ordem cronológica.

"Edificaram" e "acabaram" são palavras que não devem ser tomadas de qualquer maneira. Pense em todos os projetos e planos que foram concebidos, iniciados em nome do Senhor e nunca terminados. O trabalho de Deus, não importa quão grande ou pequeno, exige e merece ser completado. As palavras "edificaram" e "acabaram" são também um tributo ao povo de Deus, aos profetas de Deus e à providência de Deus ao ter "Ciro, Dario" e "Artaxerxes" no poder neste momento particular.

2. O Templo Terminado e Dedicado (Esdras 6:15-18)

Versículo 15 "E acabou-se esta casa no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado do rei Dario"

O "terceiro dia do mês Adar" é geralmente acordado pelos estudiosos que seria 12 de março de 515 a.C. Se isso é preciso, isso significa que o templo foi concluído em pouco menos de cinco anos após o trabalho ter sido retomado em 21 de setembro de 520 a.C. (Ageu 1:14-15). O Templo de Salomão, o primeiro templo, levou sete anos para ser edificado (1 Reis 6:38). Quatro a cinco anos era um tempo curto para um trabalho tão grande.

Este período de tempo de menos de cinco anos é consistente com a conclusão do templo "no sexto ano do reinado de Dario, o rei". O esforço de reconstrução tinha começado no "segundo ano do reinado de Dario, rei da Pérsia" (Esdras 4:24), que colocaria a conclusão entre quatro e cinco anos.

Versículos 16-18 "E os filhos de Israel, os sacerdotes e os levitas, e o resto dos filhos do cativeiro fizeram a dedicação desta casa de Deus com alegria. Ofereceram para a dedicação desta casa de Deus cem novilhos, duzentos carneiros e quatrocentos cordeiros; e como oferta pelo pecado por todo o Israel, doze bodes, segundo o número das tribos de Israel. E puseram os sacerdotes nas suas divisões e os levitas nas suas turmas, para o serviço de Deus em Jerusalém, conforme o que está escrito no livro de Moisés"

Estes versículos registram como as pessoas celebraram a dedicação do templo reconstruído. A palavra "alegria" é mencionada uma vez no versículo 16 e duas vezes no versículo 22. É a emoção dominante que caracteriza esta grande celebração. Embora haja "alegria" sobre o templo reconstruído há uma nota de preocupação quando você considerar o que foi "oferecido" nesta celebração. Os "cem novilhos, duzentos carneiros e quatrocentos cordeiros" para uma "oferta pelo pecado" eram poucos comparados com os vinte e dois mil bois e as cento e vinte mil ovelhas oferecidas por Salomão no primeiro templo (II Crônicas 7:5). Mas, apesar da quantidade das ofertas, todas falavam do mesmo Cristo que "havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas..." (Colossenses 1:20). As coisas podem não ter sido tão grandes nessa dedicação como na primeira dedicação do templo, mas ainda assim havia "alegria". Mais será dito sobre "alegria" no versículo 22.

Ao identificar aqueles que celebraram como "os filhos de Israel", Esdras está nos dizendo que esta ocasião foi uma celebração unida. Esta unidade também é evidente nos "doze cabritos" que foram oferecidos. "Doze" é o número de todas as "tribos de Israel". Alguns de cada "tribo de Israel" retornaram para casa após cativeiro, tornando possível considerar o povo restabelecido como "Israel". Deus quer que todo o Seu povo celebre com alegria.

"...a dedicação desta casa de Deus" é afirmado duas vezes nos versos 16-17. Essas palavras serviam como um lembrete de que o passado deles ainda estava conectado com o presente. O que eles estavam celebrando era "a casa de Deus". E embora o segundo templo possa ser menor do que o primeiro e muitas outras coisas diferentes, ainda era "a casa de Deus" e eles poderiam se "alegrar" e celebrar sua conclusão.

A conclusão do templo foi seguida pela colocação adequada e disposição dos líderes para servir no templo. "E puseram os sacerdotes nas suas divisões e os levitas nas suas turmas, para o serviço de Deus". Este arranjo tinha sido originalmente feito por Davi, e depois adotado por Salomão, para o serviço no antigo templo (1 Crônicas 23:6-23; 24:1-19). "Como está escrito no livro de Moisés" é uma referência a Números 3:6-10 e Números 8:6-26 onde os ofícios de "sacerdotes" e "levitas" foram estabelecidos. Mas os próprios "rumos" não foram estabelecidos até o tempo de Davi. Será sempre importante fazer a obra do Senhor à maneira do Senhor.

3. A Páscoa Celebrada (Esdras 6:19-22)

Versículo 19 "E os que vieram do cativeiro celebraram a páscoa no dia catorze do primeiro mês".

Agora que os filhos de Israel foram libertados do cativeiro de Babilônia e tinham reconstruído o templo, era justo que eles celebrassem sua libertação da escravidão do Egito. Toda libertação na vida dos filhos de Deus está enraizada em nosso livramento do pecado. Matthew Henry disse: "Novas misericórdias devem nos lembrar de antigas misericórdias".

A "páscoa" que comemorava aquela noite em que Israel foi redimido da mão de Faraó devia ser mantida "no décimo quarto dia do primeiro mês" (Êxodo 12:6). A Páscoa fala da morte de Cristo, a nossa Páscoa que foi oferecido por nós (1 Coríntios 5:7). Quando eles se reuniram em torno da Páscoa, eles estavam se reunindo em torno da pessoa do Senhor Jesus Cristo, de acordo com a Palavra de Deus.

Versículos 20-22 "Pois os sacerdotes e levitas se tinham purificado como se fossem um só homem; todos estavam limpos. E imolaram o cordeiro da páscoa para todos os filhos do cativeiro, e para seus irmãos, os sacerdotes, e para si mesmos. Assim comeram a páscoa os filhos de Israel que tinham voltado do cativeiro, com todos os que, unindo-se a eles, se apartaram da imundícia das nações da terra para buscarem o Senhor, Deus de Israel; e celebraram a festa dos pães ázimos por sete dias com alegria; porque o Senhor os tinha alegrado, tendo mudado o coração do rei da Assíria a favor deles, para lhes fortalecer as mãos na obra da casa de Deus, o Deus de Israel".

Durante o reinado do rei Ezequias, os sacerdotes não foram purificados e, portanto, incapazes de ministrar corretamente (2 Crônicas 30:1-3). Mas agora, quando o segundo templo está completo, eles foram "purificados como se fossem um só homem". Eles estavam comprometidos a manter-se cerimonialmente limpos para a obra do Senhor. Deus ainda exige que seus ministros e servos sejam limpos e santos (1 Tessalonicenses 4:3-4). A pureza dos ministros de Deus acrescenta muito ao seu ministério; assim como sua unidade.

"Assim comeram a páscoa os filhos de Israel que tinham voltado do cativeiro, com todos os que, unindo-se a eles, se apartaram da imundícia das nações da terra". Não somente os filhos de Israel que voltaram do cativeiro de Babilônia participaram da Páscoa, o povo local que se separaram da imundícia do pecado e da comunhão com os pecadores, se uniram na Páscoa. Embora fossem estrangeiros e forasteiros, eram bem-vindos para comer da Páscoa, como companheiros dos santos e da família de Deus. A frase "imundícia das nações" tem referência às práticas imorais e idólatras das nações ao redor de Judá. A separação do pecado ainda é necessária se alguém quiser adorar biblicamente o Senhor.

O Senhor fez os que comeram da Páscoa "alegres". "Alegria" denota "felicidade que penetra o coração" a ponto de se revelar no exterior. Ser capaz de adorar e celebrar a Páscoa tinha dado ao povo causa para se alegrar. Havia agora cerca de vinte anos desde a fundação deste templo, e podemos supor que os anciãos que então choraram à lembrança do primeiro templo, estavam a maioria deles mortos por este tempo, de modo que agora não havia lágrimas misturadas com alegrias. Aqueles que estavam celebrando a Páscoa estavam alegres. E aqueles de nós que foram redimidos têm razão para ser gratos.

A Páscoa foi seguida pela "festa dos pães ázimos por sete dias com alegria". Enquanto "a festa dos pães ázimos" e "a Páscoa" são duas observâncias separadas, mas ambas são misturadas em uma observância chamada "Páscoa" (Êxodo 12:15-20).

A ocasião particular que eles tinham para "alegria" neste momento era que Deus tinha "mudado o coração do rei da Assíria a favor deles, para lhes fortalecer as mãos na obra da casa de Deus, o Deus de Israel". Embora seja difícil identificar o "rei da Assíria", a maioria acredita que Esdras estava se referindo a Dario. Apesar da incapacidade de dizer claramente a quem se refere, é muito claro que Esdras está lembrando ao povo que tudo o que ocorreu foi de fato pela mão invisível de Deus. Todos os reis, todos os decretos e todas as circunstâncias que haviam ocorrido resultando em seu retorno e a reconstrução do templo não foi mera casualidade. E isso era motivo de "alegria".

Conclusão: A dedicação do novo templo trouxe alegria aos corações daqueles que trabalharam e testemunharam a mão de Deus. O povo de Deus estava lá junto com alguns estranhos que não pertenciam. Os sacerdotes estavam lá e todos os que se tinham separado do pecado. E todos se alegraram ao celebrarem a Páscoa e a festa dos pães ázimos.

Se o povo do dia de Esdras pode se "alegrar" por um edifício construído com pedras, quanto mais o povo de Deus hoje deve ter "alegria" porque nós "também, quais pedras vivas, sois edificados como casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais, aceitáveis a Deus por Jesus Cristo" (1 Pedro 2:5).

Deus criou o homem para desfrutá-Lo e glorificá-Lo para sempre. O salmista disse: "Tu me farás conhecer a vereda da vida; na tua presença há plenitude de alegria; à tua mão direita há delícias perpetuamente" (Salmos 16:11). O profeta Isaías disse: "E os resgatados do Senhor voltarão; e virão a Sião com júbilo, e alegria eterna haverá sobre as suas cabeças; gozo e alegria alcançarão, e deles fugirá a tristeza e o gemido" (Isaías 35:10). Temos motivos para comemorar agora e no futuro.
Amém!

Tem dificuldade para entender a Biblia? Olha a novidade que tenho para você!

Um excelente método sobre como ler a Bíblia e entendê-la mais facilmente! Descubra como ser um grande leitor da Bíblia Sagrada sem ser um teólogo profissional

Se você deseja ler e enteder a Biblia, ainda hoje, terá à disposição um excelente material! Clique Aqui para conhecer a Escola da Bíblia Shubert.

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.