O problema da falta de perdão

O problema da falta de perdão
Quando perdoamos os erros dos outros, encontramos a verdadeira liberdade.

Os muros foram utilizados em toda a história humana, tanto para proteção quanto para separação. Talvez o mais impressionante que tenha sido construído seja a Grande Muralha da China, que é uma incrível 13.170 milhas de comprimento. No entanto, o mais famoso nos tempos modernos foi o muro de Berlim, uma barreira que cortou uma cidade ao meio e impediu os cidadãos alemães de viajarem livremente.

Mas os muros físicos não são os únicos construídos pelos humanos. Devido à nossa necessidade de nos sentir seguros, às vezes erguemos muros invisíveis para impedir que outras pessoas fiquem próximas demais. A falta de perdão é um desses muros. É para evitar o que nos prejudicou, mas também nos mantém encarcerados nas consequências autodestrutivas da amargura.

Quando Jesus foi perguntado sobre quantas vezes perdoar um irmão, ele contou uma história sobre um servo que devia uma quantidade exorbitante de dinheiro ao rei (Mateus 18:23-35). Embora o rei o perdoasse, esse homem se recusou a perdoar a dívida de um outro servo que lhe devia uma pequena quantia. Quando o rei ouviu falar sobre isso, ele aprisionou o servo implacável.

Por que a falta de perdão é um problema?

Às vezes, é óbvio quando alguém está abrigando a falta de perdão: mencione o nome do agressor e todos os tipos de emoções negativas surgem à superfície. Mas outras vezes, um espírito implacável pode não ser tão aparente porque foi reprimido ou negado. Uma pessoa pode se perguntar por que ele se sente crítico ou desconfiado, sem perceber que essas emoções são sintomas de algo mais profundo.

A falta de perdão é como um balão. Se tentarmos suprimi-lo em uma área de nossa vida, ele aparecerá em outra. Esta não é a maneira de viver, e certamente não é o que Deus pretende para nós. De acordo com Efésios 4:31, devemos arrancar toda amargura, ira, cólera, gritaria, calúnia e malícia - cada uma das quais é evidência de um espírito implacável. E em Hebreus 12:15, somos avisados para não deixar surgir uma raiz de amargura, causando problemas e contaminando aqueles que nos rodeiam.

Por que devemos perdoar?

O maior problema com o perdão é que ele não parece justo. Afinal, a justiça exige que um culpado pague por sua ofensa. Portanto, se o erro não pode ser desfeito, então, manter um rancor parece ser a melhor opção. Mas, ao fazê-lo, ignoramos a vontade de Deus e resulta em devastadoras repercussões ao longo da vida.

Jesus nos chama a perdoar. Na oração do Senhor, ele diz para orar: "Perdoa-nos as nossas dívidas, como também perdoamos os nossos devedores" (Mateus 6:12). Então, ele acrescenta um aviso: "se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas" (Mateus 6:15). Agora, isso não significa que perderemos a nossa salvação se apegarmos as ofensas, mas a falta de perdão traz tristeza ao Espírito Santo, é contrária ao generoso perdão de Cristo de nossos pecados e dificulta nossa comunhão com Deus. (Veja Efésios 4:30-32)

O perdão é uma característica semelhante à de Cristo. Ninguém sofreu mais injustamente do que Jesus ou perdoou mais livremente. Embora Ele estivesse sem pecado, todos os nossos pecados foram colocados sobre Ele enquanto Ele pendia na cruz e pagava a penalidade que merecíamos. Quando perdoamos os outros como Cristo fez, a Sua vida é exibida em nós, e Ele recebe a glória (Gálatas 2:20).

A falta de perdão é prejudicial para nós. Não só causa problemas emocionais, mentais, físicos e relacionais, mas, como qualquer outro pecado, também nos sufoca espiritualmente porque não estamos caminhando no Espírito. João adverte que qualquer um que afirma que ele está na Luz, mas odeia que seu irmão tropeça na escuridão do pecado, e seus olhos estão cegos para sua verdadeira condição (1 João 2:9-11).

Como podemos nos recuperar de um espírito imperdoável?

Através do poder do Espírito Santo em nós, nós, cristãos, temos dentro de nós a capacidade de obedecer aos mandamentos de Deus. E isso inclui perdoar quem nos prejudicou - não importa quão grande seja a ofensa. No entanto, trabalhar com o perdão requer tempo e cura, bem como recuperar-se de uma doença.

Arrependa-se do pecado da falta de perdão. O arrependimento significa uma mudança de mentalidade e direção. O primeiro passo é assumir a responsabilidade e confessar nosso pecado a Deus. Então devemos mudar a forma como pensamos sobre o nosso ofensor para que possamos começar a responder de forma diferente. Isto é exatamente o que Paulo disse aos Efésios para fazer: "Antes sede bondosos uns para com os outros, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo" (Efésios 4:32).

Libere o ofensor. A palavra grega para perdoar significa "deixar ir ou desistir de uma dívida". A falta de perdão é uma tentativa de fazer a outra pessoa pagar pelo que ela fez, e é isso que devemos liberar. Em vez de exigir justiça, somos chamados a confiar em Deus como o juiz. Pedro diz que uma pessoa que pacientemente sofre maus tratos encontra o favor de Deus (1 Pedro 2:19-21).

Reconheça que Deus costuma usar uma ofensa para revelar uma fraqueza. Um espírito imperdoável é uma parte feia de nós que o Senhor quer trazer ao ar para que possamos nos arrepender e ficar livres. Embora estejamos focados no mal feito a nós, Deus quer usar a situação para produzir em nós o que falta: caráter e humildade semelhantes a Cristo (Colossenses 3:12-13).

Lembre-se de quantas vezes e quanto Deus nos perdoou. Sempre que chegamos, confessando nossos pecados ao Senhor, temos Sua promessa de perdão e purificação (1 João 1:9). Considerando como Deus nos perdoou tão graciosamente, que direito temos de segurar qualquer coisa contra os outros (Mateus 18: 32-33)?

Muito está em questão quando se trata do perdão. Nós podemos manter nosso "direito" de vingança, ou liberá-la para Deus. A primeira escolha leva a uma prisão miserável que nós mesmos criamos. Mas a segunda resulta em liberdade gloriosa, alegria restaurada e paz repousante em Deus. Qual você escolherá?

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.