A Aplicação da Sabedoria: Mordomia
Mordomia refere-se a como usamos o dinheiro e os bens que temos. O livro de Provérbios contém instruções que nos ajudam a saber como ser sábios mordomos das coisas que temos.

Obtenção de riqueza

Começamos nosso estudo da mordomia observando o conselho do sábio sobre como obter riqueza em primeiro lugar.
"Os tesouros da impiedade de nada aproveitam; mas a justiça livra da morte" "O que trabalha com mão remissa empobrece; mas a mão do diligente enriquece. O que ajunta no verão é filho prudente; mas o que dorme na sega é filho que envergonha" (10:2, 4-5).
Os "tesouros" que vêm como resultado da "impiedade" não são o tipo de posses que deveríamos desejar. Não importa como obtemos nossa riqueza. Em vez de procurar tornar-nos ricos pela impiedade, devemos praticar a justiça. Como alguém adquire riquezas de maneira justa? Ele o faz por ser diligente e não adiar as responsabilidades da vida. Embora muitos desejem fazê-lo, não podemos escapar da necessidade de trabalhar duro. Salomão diz: "O que lavra a sua terra se fartará de pão; mas o que segue os ociosos é falto de entendimento" (12:11). Devemos nos esforçar para adquirir prosperidade através do trabalho árduo, não através do engano. "A riqueza adquirida às pressas diminuíra; mas quem a ajunta pouco a pouco terá aumento" (13:11).
"O que se dá à cobiça perturba a sua própria casa; mas o que aborrece a peita viverá" (15:27).
Aquele que "lucra ilicitamente" ou "se dá a cobiça" tem as coisas materiais como seu único foco. O justo pode certamente prosperar. Mas a prosperidade material é um benefício lateral, ao invés do objetivo principal. Para o homem perverso, a prosperidade material é o objetivo principal. Portanto, fará o que for preciso para obter riqueza, sem levar em conta as consequências. Este tipo de atitude não só trará problemas para si mesmo, mas também para "sua própria casa".
"Ajuntar tesouros com língua falsa é uma vaidade fugitiva; aqueles que os buscam, buscam a morte" (21:6).
O homem pode ser capaz de adquirir algum grau de prosperidade através do engano. Mas Salomão adverte que essa riqueza é fugaz. Seu fim é a morte, porque este é o limite a que se pode desfrutar as riquezas desta vida.
"A mulher aprazível obtém honra, e os homens violentos obtêm riquezas" (11:16).
Uma mulher que é aprazível pode obter uma boa reputação por seu caráter. Em contraste, um homem que é implacável pode obter riquezas. A palavra para implacável é usada para alguém que é aterrorizante, poderoso, tirânico e até mesmo opressivo. O homem sábio não nega que esses indivíduos perversos adquirirão riqueza. No entanto, a diferença é que a riqueza dos ímpios é passageira, como é verdade com o mentiroso (21:6).
"A herança que no princípio é adquirida às pressas, não será abençoada no seu fim" (20:21).
Provavelmente todos ouvimos histórias de indivíduos que ganharam milhões de Reais na loteria, apenas para consumir tudo em apenas alguns anos. Eles ficaram ricos muito rapidamente - como muitas pessoas gostariam de fazer. Mas essa grande fortuna de riqueza "não será abençoada no seu fim". Ela não vai durar porque o que a adquiriu não sabe como lidar com ela. Portanto, a riqueza será desperdiçada e perdida e ele estará de volta na mesma condição em que estava no início.
"Aquele que é cobiçoso corre atrás das riquezas; e não sabe que há de vir sobre ele a penúria"(28:22).
Muitos querem as recompensas do trabalho sem o trabalho real. Salomão diz que é uma característica do homem do mal apressar-se após a riqueza - esforçar-se para obter riqueza sem o trabalho necessário para adquiri-la. Ele está inconsciente do fato de que sua atitude resultará em "penúria" (21:5; 28:20).
"Nada vale, nada vale, diz o comprador; mas, depois de retirar-se, então se gaba" (20:14).
É comum pechinchar com um vendedor ou negociar o preço de um item antes de comprá-lo. Isso pode ser bom em algum grau. Mas não devemos tirar proveito de outros e, em essência, enganar o vendedor para entregar-nos o item por menos do que seria um preço justo para ele.
"O que aumenta a sua riqueza com juros e usura, ajunta-a para o que se compadece do pobre" (28:8).
Semelhante ao verso anterior (20:14), este versículo condena a prática de tirar proveito dos outros. O sábio diz que a riqueza obtida tirando proveito dos outros se perderá um dia. O ganho é apenas temporário. Eventualmente, a riqueza que obtivemos pertencerá a outros. Seria melhor usar nossa riqueza para fazer o bem enquanto temos a oportunidade de fazê-lo, ao invés de tentar adquirir riqueza para nossos próprios propósitos egoístas, aproveitando e prejudicando outros.

O Uso Sábio da Riqueza

Depois de obtermos riqueza, precisamos usá-la com sabedoria. Existem várias passagens no livro de Provérbios que falam sobre isso.
"Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda; assim se encherão de fartura os teus celeiros, e trasbordarão de mosto os teus lagares" (3:9-10).
O homem sábio nos lembra que devemos estar conscientes de Deus quando consideramos como usamos nossa riqueza. Nosso serviço a Deus deve ser a nossa mais alta prioridade, ao honrá-Lo "com as primícias" de nosso produto. Nós nos concentramos em agradar o Senhor primeiro, então deixe tudo seguir. No entanto, precisamos ter cuidado para não interpretar versos como este como uma espécie de garantia de prosperidade material como a recompensa da fidelidade a Deus. Aqueles que ensinam o evangelho "saúde e riqueza" tentarão fazer isso, prometendo às pessoas prosperidade material por sua fé (o que, de acordo com esses falsos mestres, é geralmente demonstrado por alguém ofertar dinheiro para o seu "ministério"). Mesmo sem a falsa garantia dos pregadores de "saúde e riqueza", há bênçãos por seguir o Senhor. Nosso foco, no entanto, deve ser principalmente ao servir a Deus e ser bons mordomos das bênçãos que Ele deu.
"Os bens do rico são a sua cidade forte; a ruína dos pobres é a sua pobreza" (10:15).
Salomão nos diz aqui que a riqueza é capaz de fornecer um nível de proteção e estabilidade para quem a possui. No entanto, isso exige que ele atue como um bom mordomo da riqueza que ele tem, ao invés de desperdiçá-la em coisas sem valor. Mas devemos notar a cautela contida em um verso semelhante: "Torre forte é o nome do Senhor; para ela corre o justo, e está seguro. Os bens do rico são a sua cidade forte, e como um muro alto na sua imaginação" (18:10-11). Embora a riqueza possa fornecer um grau de proteção e estabilidade na vida, ela não pode eliminar nossa necessidade de confiar em Deus. Nossa confiança deve estar no Senhor enquanto fazemos uso sábio de nossa riqueza, em vez de depositar nossa confiança em nossas riquezas. Este ponto será discutido mais tarde no estudo.
"Há quem se faça rico, não tendo coisa alguma; e quem se faça pobre, tendo grande riqueza" (13:7).
O problema que Salomão descreve aqui é comum em nossa sociedade. Muitas pessoas tentam viver além de seus limites - eles fingem ser ricos. A fim de continuar a ilusão - ou para enganar a si próprios ou outros - eles devem ir mais e mais em dívida, a fim de manter seu estilo de vida. Em contraste, o homem sábio viverá dentro de seus limites - fingindo ser pobre mesmo que não o seja. Isso não só irá ajudá-lo a evitar a dívida, mas viver dentro de seus limites e lhe permitir poupar para o futuro.
"O homem de bem deixa uma herança aos filhos de seus filhos; a riqueza do pecador, porém, é reservada para o justo" (13:22).
Três coisas são necessárias para que se possa deixar uma herança para seus netos. Primeiro, ele deve passar uma vida trabalhando diligente. Em segundo lugar, ele deve ser um bom mordomo dos frutos de seu trabalho de modo que ele seja capaz de economizar o suficiente para ter algo para prover para seus netos como uma herança. E terceiro, ele deve ter um desejo de ajudá-los que é mais forte do que qualquer desejo de usar o dinheiro em si mesmo. Naturalmente, é possível o indivíduo ser um bom homem e, por causa de fatores além de seu controle, não ter uma herança para deixar para seus filhos, para não falar de seus netos. Mas, independentemente das variáveis ​​e possíveis resultados, um homem bom terá essas características - diligência, frugalidade e generosidade.
"Um dá liberalmente, e se torna mais rico; outro retém mais do que é justo, e se empobrece. A alma generosa prosperará, e o que regar também será regado. Ao que retém o trigo o povo o amaldiçoa; mas bênção haverá sobre a cabeça do que o vende" (11:24-26).
Os dois primeiros versículos acima discutem as virtudes e as recompensas da generosidade e contrastam com as consequências negativas que vêm a alguém que engana os outros. O último verso é interessante, especialmente à luz dos ataques modernos ao capitalismo e à demonização daqueles que se envolvem nos negócios e fazem um lucro. Uma constante na vida é a necessidade de as pessoas comerem. Portanto, não é de surpreender que o sábio diga: "Ao que retém o trigo o povo o amaldiçoa". Se uma pessoa acumular todo o grão, os que não tiverem, passarão fome. Mas observe o contraste que Salomão faz com isso. Ele não diz que aquele que dá todo o seu grão será abençoado. A generosidade certamente é louvável, mas este versículo faz um outro ponto importante: "bênção haverá sobre a cabeça do que o vende". Assim como um "trabalhador é digno de seu salário" (Lucas 10:7), assim também é um vendedor digno de seu lucro. Já discutimos como não se deve obter riqueza aproveitando-se dos outros. Mas participar de um mercado livre e receber um preço justo em troca de bens que os outros querem ou precisam é louvável e torna um destinatário adequado das bênçãos de Deus.

O uso sábio de nossas posses

Ser um bom mordomo não se refere apenas à riqueza, mas também às posses. Vamos notar as passagens em Provérbios que discutem como fazer uso sábio de nossas posses.
"Prepara os teus trabalhos de fora, apronta bem o teu campo; e depois edifica a tua casa" (24:27).
Este versículo é sobre a gestão do tempo em fazer o uso sábio de nossas posses. Tanto a preparação do campo como a construção da casa são necessárias. Mas se alguém não cuidar de seu campo no momento apropriado, ele não terá nada durante o tempo da colheita (20:4). Devido à paciência necessária para permitir que os processos naturais na providência de Deus funcionem, certos assuntos são mais urgentes do que outros. Se alguém não reconhecer isso, o campo que ele possui pode tornar-se inútil para ele.
"O justo olha pela vida dos seus animais; porém as entranhas dos ímpios são cruéis" (12:10).
Este versículo é frequentemente usado para apontar que um dos traços de caráter de um homem justo é a misericórdia, e pode ser visto até mesmo em como ele trata seus animais. No entanto, este versículo não é tanto sobre a misericórdia, mas sobre a mordomia. Os animais são valiosos na agricultura (ver 14:4). Um faz o uso sábio de seus bens, cuidando de seus animais para que eles continuem a fazer o que ele precisa que eles façam para que ele prospere.
"Onde não há bois, a manjedoura está vazia; mas pela força do boi há abundância de colheitas"(14:4).
Salomão nos lembra aqui o valor da praticidade sobre a estética. Animais - como bois - são criaturas sujas e fedidas. Há também um monte de trabalho e despesas necessárias para manter esses animais. No entanto, a razão pela qual se poderia suportar o desagrado, trabalho e despesa de manter esses animais é porque "pela força do boi há abundância de colheitas". Se julgássemos e mantivéssemos nossas posses com base somente na beleza e no sentimentalismo, nos encontraríamos na pobreza. Embora tais coisas impraticáveis possam estar bem até certo ponto, precisamos possuir e manter aquelas coisas que são práticas e podem nos ajudar a sobreviver e prosperar.
"Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; cuida bem dos teus rebanhos; porque as riquezas não duram para sempre; e duraria a coroa de geração em geração? Quando o feno é removido, e aparece a erva verde, e recolhem-se as ervas dos montes, os cordeiros te proverão de vestes, e os bodes, do preço do campo. E haverá bastante leite de cabras para o teu sustento, para o sustento da tua casa e das tuas criadas" (27:23-27).
Esses versículos são um forte testamento à providência duradoura de Deus. As economias podem desabar ("as riquezas não duram para sempre”) e as nações podem cair (“nem uma coroa dura por todas as gerações”), mas o povo de Deus ainda é capaz de sobreviver através do que Ele providenciou. Mas devemos ser bons mordomos do que possuímos ("Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; cuida bem dos teus rebanhos"), usando nossas bênçãos para obter as coisas de que precisamos. Isto pode ser feito ou produzindo o que precisamos para nós mesmos ("os cordeiros te proverão de vestes"), ou negociando com os outros para o que não temos ("e os bodes, do preço do campo. E haverá bastante leite de cabras para o teu sustento"). Sendo bons mordomos das coisas com as quais Deus nos abençoou, podemos sobreviver no mundo que Ele criou.

Nossa atitude para com as riquezas

De acordo com as palavras de Agur, há um equilíbrio que devemos atacar em nossa atitude em relação às riquezas.
"Alonga de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza: dá-me só o pão que me é necessário; para que eu de farto não te negue, e diga: Quem é o Senhor? Ou, empobrecendo, não venha a furtar, e profane o nome de Deus" (30:8-9).
Existe o perigo de ter abundância de riquezas porque pode levar-nos a negar o Senhor, pensando que somos totalmente autossuficientes sem Ele. No entanto, a falta de riquezas a ponto de estar em necessidade também é perigoso porque poderia levar-nos a roubar. Ele nos encoraja a nos contentarmos - não sendo excessivamente desejosos de riquezas, mas também estar atentos e agradecidos pelo que temos. Este contentamento vem quando nós compreendemos a verdade sobre riquezas e temos a atitude certa a respeito delas.

A verdade mais fundamental que devemos entender sobre as riquezas é que elas são bênçãos de Deus.
"A bênção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma" (10:22).
Tudo o que temos para desfrutar nesta vida vem de Deus. Portanto, devemos sempre estar conscientes de que Ele é a fonte de nossas bênçãos, pois isso nos ajudará a nos concentrar em servi-Lo. Mas Salomão acrescenta a sua declaração sobre as abundantes bênçãos de Deus. Não só é verdade que as coisas boas que temos para desfrutar nesta vida vêm de Deus, mas também Ele acrescenta "não a faz seguir de dor alguma". As pessoas muitas vezes querem atribuir coisas ruins em suas vidas a Deus, mas o homem sábio nos lembra que as coisas boas - e somente as coisas boas - são do Senhor. Embora Ele possa permitir que certas coisas ruins aconteçam, Ele não está ativamente trazendo dano sobre nós.
"A coroa dos sábios é a sua riqueza; porém a estultícia dos tolos não passa de estultícia" (14:24).
Um dos benefícios de seguir a sabedoria é a riqueza. Como já consideramos, isso não é uma garantia de prosperidade financeira pelo serviço a Deus, mas é certamente verdade que seguir a sabedoria que vem de cima coloca alguém em posição de prosperar.

Embora as riquezas sejam bênçãos de Deus, há um perigo representado por elas, se nelas confiarmos tolamente. Então Salomão avisa: não confie nas riquezas.
"De nada aproveitam as riquezas no dia da ira; porém a justiça livra da morte" (11:4).
Embora haja certamente um benefício fornecido a quem tem riquezas, há um limite para a sua utilidade. No "dia da ira", ou no dia do juízo divino, nossa riqueza não nos salvará. Quando chegar a hora de afastar-se desta vida, as riquezas não impedirão nossa morte, nem poderemos levar nossas posses conosco para a vida após a morte.
"Aquele que confia nas suas riquezas, cairá; mas os justos reverdecerão como a folhagem" (11:28).
Este versículo faz um contraste entre aquele que confia nas riquezas que "cairão" e aquele que é justo que "florescerá". No entanto, este versículo não diz quanta riqueza qualquer um desses dois indivíduos possuía. Pode-se confiar em riquezas, mas não ter nenhuma. Pode-se também ser justo e prosperar. Ser justo não exige que se tome um voto de pobreza. Em vez disso, isso significa que alguém coloca a Deus em primeiro lugar e faz a Sua vontade, confiando nele mais do que em riquezas. Quem não deposita sua confiança em Deus, preferindo confiar na riqueza, está se preparando para uma queda.
"Torre forte é o nome do Senhor; para ela corre o justo, e está seguro. Os bens do rico são a sua cidade forte, e como um muro alto na sua imaginação" (18:10-11).
Mais cedo nós contrastamos este versículo com esta declaração de Salomão: "Os bens do rico são a sua cidade forte; a ruína dos pobres é a sua pobreza" (10:15). As riquezas proporcionam os benefícios da segurança e da estabilidade àqueles que as possuem. No entanto, como vimos em outros lugares, nossa confiança deve estar no Senhor, não em nossa riqueza. Segurança e proteção são de Deus. As riquezas podem ser o instrumento com o qual fomos abençoados que ajuda a fornecer esta segurança. Mas para aquele que confia em sua riqueza, em vez de em Deus, sua segurança e estabilidade está em "sua própria imaginação", ou "em seu próprio conceito". É arrogante pensar que Ele não precisa de Deus, não importa quanto dos bens deste mundo ele possui.
"Não te fatigues para seres rico; dá de mão à tua própria sabedoria: Fitando tu os olhos nas riquezas, elas se vão; pois fazem para si asas, como a águia, voam para o céu" (23:4-5).
Nestes versículos, Salomão não está dizendo que não se deve trabalhar duro. Já vimos várias passagens em que o trabalho diligente é recomendado (12:24; 13:4; 28:19, ver Eclesiastes 9:10). Em vez disso, ele está nos lembrando de ter a perspectiva adequada sobre as riquezas. Elas são temporárias e incertas. Portanto, não podemos tornar as riquezas nosso foco principal ou colocar nossa confiança nelas.

Alguns colocam muita confiança nas riquezas. Outros desprezam qualquer forma de riqueza. Precisamos aprender a colocar uma avaliação adequada sobre a riqueza.
"Melhor é o que é estimado em pouco e tem servo, do que quem se honra a si mesmo e tem falta de pão" (12:9).
Para ter um servo, seria necessário primeiro ter um certo grau de riqueza. Mesmo que outros possam ter pouca consideração por ele, é melhor ter essa riqueza do que não. A falta de pão não é honrada (isso é diferente de sacrificar, o que seria honrado). Portanto, aquele que não tem pão só receberá honra de si mesmo. Portanto, as riquezas são valiosas e não devem ser rapidamente desconsideradas.
"Melhor é o pouco com justiça, do que grandes rendas com injustiça" (16:8).
Por outro lado, enquanto as riquezas são valiosas, elas não são mais valiosas do que a justiça. Se a única maneira de obter riqueza é lidar injustamente com outros, é melhor manter a integridade e viver em circunstâncias humildes. A justiça diante de Deus será sempre mais importante do que as riquezas desta vida.

Ao desenvolver uma atitude adequada em relação às riquezas, é importante que entendamos como nossa riqueza influencia os outros.
"O pobre é odiado até pelo seu vizinho; mas os amigos dos ricos são muitos" (14:20).
"As riquezas granjeiam muitos amigos; mas do pobre o seu próprio amigo se separa" (19:4).
Uma triste realidade na vida é que muitas pessoas valorizam amizades com base no que eles podem obter do relacionamento. Se alguém puder estar em posição de ajudá-los na forma de trabalho, conexões ou prosperidade material, muitos serão mais amigáveis ​​a tal pessoa do que a alguém que não é capaz de oferecer tais coisas. Esse é o ponto de Salomão. As pessoas querem ser amigas dos ricos na esperança de obter algum benefício financeiro do relacionamento. Os pobres não podem oferecer isso, então eles são desprezados e sua amizade é desconsiderada. Salomão reforça este ponto um par de versículos após o segundo mencionado acima: "Muitos procurarão o favor do liberal; e cada um é amigo daquele que dá presentes. Todos os irmãos do pobre o aborrecem; quanto mais se afastam dele os seus amigos! Persegue-os com súplicas, mas eles já se foram" (19:6-7). Infelizmente, o benefício que o homem pobre tem para oferecer através de suas palavras (ensino, encorajamento, etc.) não vale tanto (aos olhos de muitos) quanto os "presentes" distribuídos pelos ricos a seus amigos.
"O presente do homem alarga-lhe o caminho, e leva-o à presença dos grandes" (18:16).
Outra triste realidade na vida é que muitos não estão dispostos a ajudar os outros sem obter algo em troca. Por um presente, eles vão considerar ajudar. Sem um presente, e eles não veem nenhum ponto em sequer ouvir. Esses presentes (subornos) são frequentemente usados ​​para ganhar favor e tratamento especial daqueles que estão no poder ("grandes homens").
"O presente que se dá em segredo aplaca a ira; e a dádiva às escondidas, a forte indignação"(21:14).
Assim como um presente (suborno) pode ser usado para receber tratamento especial daqueles no poder, ele também pode ser usado para evitar o tratamento duro desses mesmos funcionários. Quando Paulo foi preso, Félix esperava "que Paulo lhe desse dinheiro" para garantir sua libertação. Quando nenhum desses subornos foi dado, ele "deixou Paulo preso" (Atos 24:26-27). Salomão não faz essas declarações sobre subornos, a fim de sugerir que é sábio subornar outros, a fim de obter tratamento especial. Ele está simplesmente explicando a realidade. Nossa riqueza - ou falta dela - tem influência sobre os outros. O suborno é apenas mais um exemplo de como isso pode acontecer.

Coisas a evitar

Como somos encorajados a ser bons mordomos das bênçãos que recebemos de Deus, há certas coisas que devem ser evitadas.
"Filho meu, se ficaste por fiador do teu próximo, se te empenhaste por um estranho, estás enredado pelos teus lábios; estás preso pelas palavras da tua boca. Faze, pois, isto agora, filho meu, e livra-te, pois já caíste nas mãos do teu próximo; vai, humilha-te, e importuna o teu próximo; não dês sono aos teus olhos, nem adormecimento às tuas pálpebras; livra-te como a gazela da mão do caçador, e como a ave da mão do passarinheiro" (6:1-5).
Esta passagem é uma de poucos que faz uma advertência muito desobstruída de se tornar o fiador da dívida de outra pessoa. Salomão diz que se alguém se "tornou fiador" de outro, é uma questão de grande urgência libertar-se dessa obrigação. Ele diz que se deve ir e implorar ao seu vizinho para libertá-lo dessa obrigação, mesmo antes de dormir. Aquele que se "tornou fiador" de outro foi "enredado" e "apanhado" com as palavras pelas quais entrou no acordo. Ele compara isso com uma gazela e um pássaro que está sendo caçado. Não há nenhum benefício em ser o fiador da dívida de outro, somente o sofrimento (11:15). O fiador não ganhará nada, mas arrisca sua própria perda financeira e material quando outros não estão dispostos ou não podem pagar suas próprias dívidas (20:16; 27:13; 22:26-27). Assim Salomão diz: "o que aborrece a fiança estará seguro" (11:15). Ser um bom administrador significa que não vamos desnecessariamente arriscar nosso próprio sustento e segurança através da falta de boa administração por parte dos outros.
"O rico domina sobre os pobres; e o que toma emprestado é servo do que empresta" (22:7).
O homem sábio nos adverte aqui contra a acumulação de dívidas. O mutuário está sob a obrigação de dar uma certa quantia dos frutos do seu trabalho para o credor. Salomão não está condenando o credor por esperar ser reembolsado. Em vez disso, ele está apontando a nossa tolice de entrar em uma obrigação de dívida desnecessariamente. Há momentos em que a dívida é inevitável. Mas o caminho do sábio é evitar a dívida sempre que possível e pagar qualquer dívida que exista o mais rápido possível, de modo a não estar sob sujeição da entidade à qual o dinheiro é devido.