Série: Tenha Coragem - Daniel: A Coragem de Desafiar a Lei

Série: Tenha Coragem - Daniel: A Coragem de Desafiar a Lei
O último exemplo em nosso estudo é Daniel. Esta lição se concentrará na coragem que ele demonstrou em sua disposição de desafiar as leis dos homens para ser fiel ao Senhor.

“Então os presidentes e os sátrapas foram juntos ao rei, e disseram-lhe assim: Ó rei Dario, vive para sempre. Todos os presidentes do reino, os prefeitos e os sátrapas, os conselheiros e os governadores, concordaram em que o rei devia baixar um decreto e publicar o respectivo interdito, que qualquer que, por espaço de trinta dias, fizer uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, exceto a ti, ó rei, seja lançado na cova dos leões. Agora pois, ó rei, estabelece o interdito, e assina o edital, para que não seja mudado, conforme a lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar. Em virtude disto o rei Dario assinou o edital e o interdito”

“Quando Daniel soube que o edital estava assinado, entrou em sua casa, no seu quarto em cima, onde estavam abertas as janelas que davam para o lado de Jerusalém; e três vezes no dia se punha de joelhos e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer” (Daniel 6:6-10).

A perseguição, de alguma forma, é uma certeza para os cristãos (2 Timóteo 3:12; 1 Pedro 4:12). Muitas vezes a mais severa perseguição virá das autoridades civis. Isso pode ser feito de duas maneiras - ou haverá governantes malignos mirando os cristãos ou haverá homens maus com influência sobre legisladores sem princípios e / ou ignorantes que manipularão os governantes para atingir os cristãos. Há momentos em que os cristãos precisam desafiar a lei e sofrer perseguição para permanecer fiéis a Deus. Pedro disse famosamente: "Devemos obedecer a Deus e não aos homens" (Atos 5:29). Os cristãos geralmente desfrutaram da paz neste país. Mas quanto mais homens maus ganham poder e influência, nossos dias de paz e liberdade podem ser contados. Precisamos estar preparados para desobedecer às autoridades civis se isso for necessário para permanecermos fiéis a Deus. O exemplo de Daniel mostra alguém com a coragem de desafiar a lei quando se tornou necessário fazê-lo.

O Contexto

Como os três jovens de nossa lição anterior, Daniel foi tirado de sua casa quando jovem e serviu na corte de Nabucodonosor (Daniel 1:3-7, 18-19; 2:48-49). Enquanto servia o rei babilônico, Daniel profetizou e afirmou a superioridade do reino de Deus sobre cada reino humano (Daniel 2:31-45). Também durante os dias deste rei, Nabucodonosor foi condenado a viver como uma besta (Daniel 4:23-25, 28-33), a fim de ensinar-lhe que Deus era "governante sobre o reino da humanidade" (Daniel 4:17, 26, 34-37).

Quando seu filho Belsazar chegou ao poder, o novo rei viu a escrita na parede durante uma festa e queria que alguém a interpretasse (Daniel 5:1-7). Daniel interpretaria, mas primeiro lembrou a Belsazar que toda autoridade é de Deus (Daniel 5:18) e que Deus reina supremo sobre todo governante humano (Daniel 5:21). Daniel então interpretou a caligrafia, explicando a Belsazar que o rei estava sujeito a Deus, fora julgado por Deus e seria punido por Deus (Daniel 5:25-28). Com certeza, “naquela mesma noite, o rei caldeu de Belsazar foi morto. Então, Dario, o medo, recebeu o reino” (Daniel 5:30-31).

Daniel então serviu a Dario e o rei ficou satisfeito com ele (Daniel 6:1-3). No entanto, alguns ficaram com ciúmes e conspiraram contra Daniel (Daniel 6:4). Conhecendo seu caráter, eles entenderam que a única maneira de o prender era tornar sua religião ilegal (Daniel 6:5). Então, eles elaboraram uma legislação que tornaria as práticas religiosas de Daniel contra a lei e convenceram o rei a assiná-la (Daniel 6:6-9).

Daniel sabia que a lei foi assinada e desobedeceu de qualquer maneira, recusando-se a alterar seu serviço a Deus para se conformar com um decreto ímpio. “Quando Daniel soube que o edital estava assinado, entrou em sua casa, no seu quarto em cima, onde estavam abertas as janelas que davam para o lado de Jerusalém; e três vezes no dia se punha de joelhos e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer” (Daniel 6:10). Quando seus inimigos relataram seu desafio ao rei, Dario tentou, sem sucesso, salvá-lo (Daniel 6:11-15). Depois que Daniel foi lançado na cova dos leões (Daniel 6:16-18), Dario o encontrou ainda vivo pela manhã (Daniel 6:19-22). Daniel foi libertado da cova e seus acusadores foram lançados e “ainda não tinham chegado ao fundo da cova quando os leões se apoderaram deles, e lhes esmigalharam todos os ossos” (Daniel 6:23-24). Dario aprendeu com este evento e emitiu um decreto reconhecendo a grandeza e supremacia de Deus (Daniel 6:26-27).

Porque Foi Preciso Coragem?

Vamos considerar cinco razões pelas quais foi preciso coragem para Daniel desafiar a lei nesta ocasião.

Primeiro, ele sabia que a lei tinha sido assinada. Esta não era uma lei que ele violou na ignorância, o que poderia ter permitido que ele pedisse clemência quando ele foi levado perante o rei. Este foi um ato de desafio deliberado à lei.

Em segundo lugar, a penalidade incluía a morte “certa”. Naturalmente, a morte só era certa de uma perspectiva humana, ignorando a possibilidade de intervenção divina. Mas é interessante que Dario expressasse confiança (ou talvez um desejo esperançoso) de que Deus libertaria Daniel (Daniel 6:16), mas nada é mencionado sobre o que Daniel pensou que aconteceria. Aprendemos com o exemplo de Sadraque, Mesaque e Abednego que o povo de Deus deve ter absoluta fé em Seu poder, mas também reconhecer que Deus nem sempre age de acordo com seus desejos. Daniel teve que reconhecer que Deus poderia ter permitido que ele fosse morto na cova do leão.

Em terceiro lugar, este era um desafio de curto prazo. A lei que proibia os homens de peticionarem a “qualquer deus ou homem” além do rei só estaria em vigor “por trinta dias” (Daniel 6:7). Daniel poderia ter raciocinado que, em vez de enfrentar a morte por violar a lei, seria melhor que ele comprometesse sua fé por trinta dias e então voltasse a servir a Deus, como fizera anteriormente quando a lei expirasse.

Quarto, ele não se escondeu. Em vez de fechar as janelas e tentar passar despercebido, Daniel manteve as janelas abertas enquanto orava (Daniel 6:10). Ele poderia ter tentado evitar problemas, mas não o fez.

Quinto, o rei assinou a lei. Daniel tinha um bom relacionamento com o rei Dario até este ponto (Daniel 6:3). Mas mesmo que o rei não tenha escrito a lei, ele a assinou. Não havia garantia de como ele reagiria quando soubesse da desobediência de Daniel. Ele poderia ter simpatia por Daniel, já que a lei era injusta (o que ele fez); ou ele poderia responder com ódio pelo desafio aberto de Daniel à lei que ele assinou (Daniel 3:12-13, 19). As reações humanas são muitas vezes imprevisíveis, pois são afetadas por uma infinidade de fatores. Daniel escolheu ser fiel sem considerar como o rei Dario reagiria.

Daniel Teve Coragem

Daniel sabia o que era certo em relação a orar a Deus. Quando Salomão terminou a construção do templo, o Senhor disse: “e se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2 Crônicas 7:14). Durante esse período difícil na história da nação, Daniel continuou a orar a Deus como o Senhor esperava que seu povo fizesse.

Daniel também sabia que ser fiel a Deus e continuar orando a Ele era mais importante do que se conformar a uma lei humana injusta. O perdão e cura que Deus prometeu (2 Crônicas 7:14) vale muito mais do que qualquer favor de um rei humano.

Finalmente, Daniel tomou coragem. Quando a lei foi assinada, ele não procrastinou na esperança de que o mês passasse antes que ele precisasse tomar uma posição. Ele orou a Deus como ele sempre fazia, independentemente das consequências.

Aplicação Para Nós

Como nunca sabemos quando podemos enfrentar a perseguição das autoridades civis por nossa fé, precisamos aprender com o exemplo de Daniel.

Primeiro, não devemos esperar poder alegar ignorância. Embora às vezes seja verdade que aqueles que não têm conhecimento de uma lei podem ter alguma clemeência quando são apanhados, devemos ser fiéis a Deus, estejamos ou não conscientes de uma lei que proíbe o serviço a Ele. Quando Pedro e João foram “ordenados ... para não falar ou ensinar de forma alguma em nome de Jesus”, eles disseram: “Não podemos parar de falar sobre o que vimos e ouvimos” (Atos 4: 18-20). Quando eles foram presos pela segunda vez, eles disseram: "Devemos obedecer a Deus e não aos homens" (Atos 5:29). Eles não alegaram ignorância. Eles conheciam a lei. Mas eles voluntariamente desobedeceram a fim de cumprir a vontade do Senhor.

Em segundo lugar, devemos ser fiéis, mesmo que a punição seja certa. O escritor hebreu lembrou a sua audiência de alguns que "uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição" (Hebreus 11:35). Mesmo que a punição seja certa, devemos suportá-la com alegria (Atos 5:40-41) por causa da recompensa que nos espera por nossa fidelidade (Mateus 5:11-12).

Terceiro, não devemos nos comprometer “temporariamente”, pensando que a situação irá melhorar mais tarde. Em primeiro lugar, a situação pode não melhorar no futuro. O homem sábio fez a seguinte pergunta: “Se ninguém sabe o que vai acontecer, quem poderá dizer-lhe quando acontecerá?” (Eclesiastes 8: 7). Situações que pensamos que serão temporárias podem não ser. Então, se nos comprometermos, nossa infidelidade pode acabar sendo permanente. Além disso, se comprometermos nossa fé, talvez não tenhamos mais tempo para nos arrependermos. Não somente poderíamos passar desta vida a qualquer momento (Lucas 12:19-20), mas o Senhor poderia voltar a qualquer momento e nos chamar antes de Seu tribunal (2 Pedro 3:10; 2 Coríntios 5:10). Não podemos nos dar ao luxo de arriscar o destino eterno de nossas almas por um compromisso “temporário”.

Quarto, não devemos ser cristãos apenas em particular. Nossa fé deve ser visível para os outros. Jesus deixou isso claro quando Ele disse: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; nem os que acendem uma candeia a colocam debaixo do alqueire, mas no velador, e assim ilumina a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” (Mateus 5:14-16).

Quinto, não devemos nos preocupar em como os outros reagirão. Quando Pedro e João foram instruídos pelo Concílio a não pregar mais, eles responderam: “Julgai vós se é justo diante de Deus ouvir-nos antes a vós do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que temos visto e ouvido” (Atos 4:19-20). Eles não se preocuparam sobre como os homens no Conselho reagiriam. Eles estavam determinados a obedecer ao Senhor.

Conclusão

Uma vez que a sociedade se torna mais ímpia, a perseguição contra os cristãos - particularmente do governo - se tornará mais comum e mais severa. A menos que nosso país sofra uma mudança significativa na direção, devemos nos preparar para tal perseguição em nosso futuro. O desafio deliberado de Daniel à lei do homem, a fim de permanecer fiel a Deus, é um exemplo que precisamos lembrar hoje. Não importa que leis possam ser aprovadas, ou quais penalidades podem ser impostas aos cristãos por seguirem o Senhor, devemos estar sempre dispostos a repetir as palavras de Pedro: “Devemos obedecer a Deus e não aos homens” (Atos 5:29).

Postar um comentário

0 Comentários