A Batalha do Getsêmani
Toda guerra tem batalhas decisivas. Em 1781 Washington e Lafayette encurralaram o general Cornwallace na Batalha de Yorktown. Em 1815, Napoleão estava à beira de conquistar a Europa até que ele conheceu o Lorde Wellington e o general Blücher na batalha de Waterloo. Em 1863, a Guerra Civil norte-americana foi provavelmente decidida em Vicksburg quando Grant e Pendleton cortaram o exército confederado pela metade. As tropas dos Estados Unidos tomaram a Europa de volta de Hitler na batalha feroz da Normandia em 1944.

A guerra pelas nossas almas foi ganha no Calvário, mas foi precedida por uma batalha muito importante no jardim do Getsêmani.

Momentos antes, eles haviam apreciando a festa da Páscoa juntos na sala superior, que terminou com eles "cantando um hino". O clima mudou rapidamente quando Jesus chamou não só o traidor, mas também todos os discípulos para, eventualmente, desertar no calor batalha.

Como pastores e líderes, é fácil ver a nós mesmos nesta batalha familiar. Eu pessoalmente prefiro me ver como guerreiro do que como um covarde, mas uma parte honesta na minha alma se identifica com querendo fugir da batalha, às vezes. Os discípulos eram imperfeitos, mas uma parte importante da história da Páscoa, assim como você é. Quero encorajá-lo a caminhar pelo jardim por alguns minutos para lembrar pessoalmente uma das maiores batalhas da história e como ela mudou sua vida.

O Campo de Batalha

O clima ficou mais escuro, quando Jesus, Pedro, Tiago e João foram ao jardim do Getsêmani para orar. Getsêmani significa "prensa de azeite", que estava localizado no sopé do Monte das Oliveiras. A caminhada de Jerusalém é curta, mas íngreme. Esse jardim era um ponto de encontro normal para os discípulos (João 18:2), mas naquela noite não foi nada normal. Como o azeite era comumente separado da polpa e da água pela pressão esmagadora da prensa de óleo, Jesus estava enfrentando a pressão da escuridão espiritual.

"Ele começou a ser profundamente angustiado e horrorizado. Então Ele lhes disse: "A minha alma está triste - a ponto de morte. Permanecei aqui e ficai acordados" (Marcos 14:33b-34).

O Preço da Batalha

Lucas acrescentou seu detalhe marca nesta história: "...e o seu suor tornou-se como grandes gotas de sangue, que caíam sobre o chão" (22:44). Eu presumo que eram gotas de sangue literal, como o termo que o médico Dr. Lucas utiliza indica.

Jesus experimentou a dor física nesta batalha, o que intensificaria em batalhas subsequentes algumas horas mais tarde nas salas de audiência e no Calvário. O "cálice" que Jesus pediu ao Pai três vezes para tirar Dele incluiu três espancamentos, espinhos dolorosos, pregos e asfixia.

"Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados" (Isaias 53:5).

Jesus também experimentou a dor espiritual na Batalha do Getsêmani. A maioria dos estudiosos que eu li acreditam que o peso do nosso pecado é o que Jesus temia mais sobre a cruz. Ninguém entendeu Isaías 53 como Ele.

"Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:21).

Há apenas uma boa razão porque Jesus não chamou para baixo 72.000 anjos para livrá-lo desta batalha horrível. Ele preferiu nos libertar do que ser livre. Jesus era o Messias em uma missão.

Jesus experimentou a dor emocional quando Seus companheiros mais próximos adormeceram três vezes seguidas naquela noite. Quanto mais próximo da cruz Ele ficava, mais solitário Ele se tornou. Quando seus amigos não estavam dormindo ou desertando, eles negavam e traía. Até o final da "sexta feira santa" Jesus seria rejeitado pelos romanos, os judeus, os discípulos, e o próprio Deus.

"Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens ... o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós" (Isaías 53:3, 6b).

O Objetivo da Batalha

Nem todas as guerras e batalhas são nobres. Alguns lutam pela terra, alguns por vingança, outros por poder. Os motivos de Jesus para esta luta nobre são claramente indicados por aquele que dormia e o abandonou naquele jardim, apenas para negá-Lo no pátio.

"levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados" (1 Pedro 2:24).

O amor compeliu Jesus para lutar por nossas almas nas Batalhas do Getsêmani e do Calvário.

Você e eu estamos na mesma missão como pastores, mas não vamos esquecer também que somos os súditos de Sua missão. Caminhe lentamente pelo jardim como um cristão antes de atravessá-la como um pastor. Junte-se a mim em abraçar a paixão e o amor de Jesus de novo antes de compartilhá-lo no Domingo de Ramos ou na Páscoa.