Resultados da Graça
Texto: Romanos 12: 3-8

Introdução: Falar sobre a graça de Deus e suas implicações na vida cristã, sem dúvida alguma para mim é aquilo que mais produz satisfação no bojo da minha vida, talvez pense eu, como Spurgeon declarou, a graça de Deus é como o jardim do Éden, que continha toda sorte de deleites.

Se alguém estivesse limitado a pregar exclusivamente sobre a graça de Deus, teria assunto para a vida toda. Cada parte desta doutrina traz encanto e satisfação para a vida, Robert Louis Stevenson disse algo profundo sobre a graça: “Nada existe, a não ser a graça de Deus. Andamos sobre ela;nós a respiramos;vivemos e morremos por ela;ela forma os eixos e encaixes do universo”. É uma fonte inesgotável. Paulo e os escritores da bíblia, regidos pelo Espírito Santo põe diante de nós uma escada dourada, onde cada degrau sobe para algo mais elevado: de pecador perdido passa para a condição de salvo redimido, da condição de salvo passa para a de privilegiado com toda sorte de bênçãos espirituais em Cristo, daí passa para a segurança da glória e etc. John Newton afirmara que: “Não sou o que posso ser, não sou o que devo ser, não sou o que espero ser; mas agradeço a Deus porque não sou o que outrora era, e posso dizer com o grande apóstolo: ”Pela graça de Deus sou o que sou”.

A graça também tem sua particularidade de produzir aquilo que podemos chamar de o “algo mais”, que Deus tem para seus filhos e nesta passagem podemos aprender que: É COMPROMISSO CRISTÃO PROMOVER A ATIVIDADE DA GRAÇA DE DEUS NO CONTEXTO DA COMUNIDADE

RESULTADOS QUE A ATIVIDADE DA GRAÇA DE DEUS PRODUZ NO CONTEXTO DA COMUNIDADE:

I. Produz visão equilibrada de si mesmo. V. 3

1. A importância da auto avaliação
A auto imagem e a nova identidade do cristão (Filipenses 4: 5 a 8; I Pedro 2:9)

2. O propósito de um conceito moderado
O aquém e o além (II Timóteo 1:7)

3. A fé repartida por Deus é o parâmetro
Deus deu a cada um, é um padrão pelo qual somos medidos na nossa forma de pensar (Fp.4:8)

4. A consequência de um conceito equilibrado
Pensando e sentindo como Cristo (Filipenses 2:5; I Coríntios 2:16)

II. Produz consciência de unidade na igreja. V. 4-5

1. O paradigma do corpo humano
É um só corpo, constituído por muitos membros com diferentes funções (Efésios 4: 3 e 4)

2. A analogia do corpo de Cristo
A igreja é corpo de Cristo, com muitos membros e cada um é membro um do outro  (I Coríntios 12:12 e 27)

3. A relação entre estes muitos membros
Causa vida e unidade como meio difusor da fé (João 17:21)

III. Produz compreensão da ação funcional dos dons no reino.  V. 6-8

1. Os dons são estabelecidos
Há uma diversidade de dons que são doados pelo Espírito Santo (Efésios 4:12)

2. Os dons são desenvolvidos
Há maneiras específicas e gerais para eles serem administrados e desenvolvidos (I Pedro 4:10)

3. O uso dos dons tem objetivos
A edificação do corpo visando o bem coletivo (I Coríntios 14:12)

Conclusão:

1. Qual é o conceito que você tem feito de si mesmo?

2.  Como você tem se relacionado com seus irmãos e que tipo de influência que a vida deles tem exercido na sua vida?

3. A sua consciência tem mostrado que você é parte integrante do corpo, sendo que o fato de possuir dons, o impulsiona a usá-los para atender as pessoas da comunidade que você participa?

Pr.Carlos

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem