Série: O Caminho (Parte 4): Problemas ao Longo do Caminho

Série: O Caminho (Parte 4): Problemas ao Longo do Caminho
“Paulo, entrando na sinagoga, falou ousadamente por espaço de três meses, discutindo e persuadindo acerca do reino de Deus. Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho diante da multidão, apartou-se deles e separou os discípulos, discutindo diariamente na escola de Tirano” (Atos 19:8-9).

Com todas as coisa boas que são faladas sobre o “Caminho” nas Escrituras, precisamos lembrar que o caminho tem suas dificuldades. Há problemas que surgem aqueles que estão seguindo este caminho e estes são claramente mostrados a nós na palavra de Deus. Portanto, nesta lição final, discutiremos os problemas que surgem ao seguir o “caminho”.

Falando Mal do Caminho

Quando Paulo estava em Éfeso, ele pregou o evangelho pela primeira vez na sinagoga (Atos 19:8). No entanto, quando ele começou a enfrentar a oposição e alguns começaram a "falar mal do caminho", ele deixou a sinagoga e ensinou em um local diferente - a escola de Tirano (Atos 19:9). É importante para nós entendermos que este não foi um movimento covarde do apóstolo. Afinal, ele havia corajosamente proclamado o evangelho em face da perseguição antes deste ponto (Atos 13:50; 14:19; 16:19-24; 17:13; 18:6). Isso tratava se de fazer o que seria mais eficaz na divulgação do evangelho. Isto provou ser um movimento sábio, como ele ensinou na escola de Tirano "por dois anos", com o resultado "de maneira que todos os que habitavam na Ásia, tanto judeus como gregos, ouviram a palavra do Senhor" (Atos 19:10).

Quando Paulo foi a Roma, ele “reuniu aqueles que eram os líderes dos judeus” para explicar-lhes por que ele estava lá como prisioneiro (Atos 28:17-20). Eles conheciam "o Caminho" apenas como a "seita" que era "falada em toda parte", mas queriam saber mais sobre isso (Atos 28:22). Apesar da reputação negativa dos discípulos e da rejeição geral do evangelho quando Paulo explicou a eles (Atos 28:24-29), o evangelho alcançou muitos em Roma. Entre os judeus, Lucas registrou que “alguns estavam sendo persuadidos” (Atos 28:24). Mas mais do que isso, Paulo “morou dois anos inteiros na casa que alugara, e recebia a todos os que o visitavam, pregando o reino de Deus e ensinando as coisas concernentes ao Senhor Jesus Cristo, com toda a liberdade, sem impedimento algum” (Atos 28:30-31) . Se “todos os que viviam na Ásia ouviram a palavra do Senhor” como resultado da pregação de Paulo por dois anos em Éfeso, podemos apenas imaginar o impacto que dois anos de pregação na capital do império romano teriam.

Esses dois exemplos - Paulo pregando em Éfeso e em Roma - nos mostram que o evangelho pode se espalhar mesmo quando os outros estão falando contra ele.

No entanto, apesar do potencial para o evangelho se espalhar em face da oposição, aqueles que são contra a verdade farão o que puderem para impedi-lo de se espalhar. Frequentemente, isso significa que eles recorrerão a táticas carnais porque não podem dar uma resposta razoável. O Novo Testamento nos dá alguns exemplos de como isso pode ser feito:

Eles nos caluniarão como malfeitores - Pedro escreveu: “tendo o vosso procedimento correto entre os gentios, para que naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, observando as vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação” (1 Pedro 2:12). Foi assim que o rumor chegou a Roma - os discípulos foram “caluniados em todos os lugares” (Atos 28:22).

Eles nos deturpam - Isso pode ser feito contra nós como indivíduos. Paulo disse que foi “difamado” porque ele ensinou que devemos “fazer o mal, para que o bem venha” (Romanos 3:8). Isso também pode ser feito contra nós como um grupo, como foi feito pelos judeus quando se referiram ao “caminho que eles [chamavam] seita” (Atos 24:14).

Eles vão dizer que estamos loucos - foi o que Festo fez quando Paulo estava dando sua defesa diante do rei Agripa. Ele disse: “Estás louco, Paulo; as muitas letras te fazem delirar” (Atos 26:24). Este tipo de acusação é uma tentativa de desacreditar aquele que está se esforçando para ensinar a verdade.

Os opositores da verdade devem recorrer a táticas carnais como essas, porque a verdade destrói os argumentos do erro. Paulo escreveu: "derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo" (2 Coríntios 10:5). Se vamos ser do “Caminho”, devemos estar preparados para as pessoas falarem mal de nós e sobre o que acreditamos, ensinamos e praticamos. Devemos também estar dispostos e capazes de manejar “a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” (Efésios 6:17) em resposta.

Distúrbios Sobre o Caminho

Não houve “pequena perturbação” que ocorreu em Éfeso como resultado da pregação de Paulo sobre “o caminho” (Atos 19:23). No entanto, Paulo não foi quem causou a perturbação; o tumulto foi liderado por Demétrio, o ourives, que estava chateado porque seu negócio de fazer ídolos foi ameaçado pela mensagem de Paulo de que "os deuses feitos com as mãos não são deuses" (Atos 19:24-32).

Quando isso acontece e surgem distúrbios “concernentes ao Caminho” (Atos 19:23), não devem ser os discípulos que estão instigando a perturbação. Devemos nos esforçar para "estar em paz com todos os homens", se for "possível" (Romanos 12:18). Paulo disse aos irmãos em Tessalônica: “e procureis viver quietos, tratar dos vossos próprios negócios, e trabalhar com vossas próprias mãos, como já vo-lo mandamos” (1 Tessalonicenses 4:11).

Em Tessalônica - antes de escrever a carta incentivando os irmãos a "levar uma vida tranquila" (1 Tessalonicenses 4:11) - Paulo e Silas foram acusados ​​de terem "virado o mundo de cabeça para baixo" (Atos 17:6). Esta foi certamente a percepção, mas não foi completamente correta. No princípio, Deus criou um mundo que era “muito bom” (Gênesis 1:31). No entanto, o pecado foi introduzido no mundo e "virou o mundo de cabeça para baixo". Paulo escreveu: "Portanto, assim como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, e assim a morte se espalhou a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5:12).

O paraíso perfeito que Deus criou foi arruinado pelo pecado. "O Caminho" foi dado para corrigir isso. Paulo também disse aos santos em Roma: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). O caminho para escapar do castigo pelo pecado foi através de Cristo - aquele que é “o caminho” (João 14:6). Seguindo Sua palavra e sendo “obedientes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues”, podemos ser “libertos do pecado” e nos tornar “servos da justiça” (Romanos 6:17-18).

Como já notamos, devemos buscar a paz quando "possível" (Romanos 12:18). Infelizmente, às vezes isso não é possível sem comprometer a verdade. Em casos como este, devemos continuar a seguir “o caminho” - o que é estreito (Mateus 7: 3-14), o que é verdadeiro (2 Pedro 2:2) e o que é justo (2 Pedro 2:21) - independentemente dos distúrbios que outros possam causar como resultado. Devemos valorizar a paz com Deus mais que a paz com os homens. Alguns dos líderes judeus não fizeram isso nos dias de Jesus. Por causa disso, embora eles “cressem Nele… eles não o confessavam, com medo de que fossem expulsos da sinagoga; porque amavam a aprovação dos homens e não a aprovação de Deus” (João 12: 42-43). Em vez de ter essa atitude, precisamos ter a mentalidade de Paulo: “Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10). Ele entendeu a necessidade de escolher agradar ao Senhor antes de agradar os outros. Nós devemos fazer o mesmo.

Perseguição do Caminho

Antes de Paulo obedecer ao evangelho e começar seu trabalho como apóstolo, ele era conhecido como Saulo e perseguidor da igreja: “Saulo, porém, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote, e pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, caso encontrasse alguns do Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém” (Atos 9:1-2).

Essa perseguição começou com a morte de Estêvão (Atos 8:1-3), que mostrou a seriedade disso. Isso foi muito mais do que algumas pessoas “falando mal do caminho” (Atos 19:9), essa era uma situação ameaçadora para os discípulos do Senhor. Como resultado, os discípulos estavam “espalhados pelas regiões da Judéia e Samaria” (Atos 8:1). No entanto, eles não ficaram em silêncio. Lucas escreveu: “Portanto, os que foram dispersos pregavam a palavra” (Atos 8:4).

Jesus falou sobre a necessidade de Seus seguidores estarem dispostos a sofrer perseguição por Sua causa. No Sermão da Montanha, Ele disse: “Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa” (Mateus 5:10-11). Ele disse em outro lugar: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, esse a salvará” (Lucas 9:23-24). Lembramos que a “cruz” foi o meio pelo qual Jesus foi morto; no entanto, mesmo antes de sua morte, a cruz era geralmente entendido como um método de execução pelos romanos. O ensinamento de Jesus é claro - devemos estar dispostos a entregar nossas vidas por ele.

Quando nos tornamos um discípulo, estamos apresentando nossos “corpos [como] um sacrifício vivo e santo” (Romanos 12: 1). Os cristãos em Esmirna foram informados: “Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo está para lançar alguns de vós na prisão, para que sejais provados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Apocalipse 2:10). Da mesma forma, devemos ser “fiéis até a morte” - mesmo que isso signifique a morte.

A perseguição de alguma forma é uma certeza para todos aqueles que seguiriam “o caminho”. Paulo disse a Timóteo: “De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2 Timóteo 3:12). Embora os métodos e a gravidade da perseguição variem, é uma realidade. A razão disso é que, como discípulos, não somos deste mundo. Observe o que Jesus disse aos seus discípulos:
“Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, guardarão também a vossa” (João 15:18-20).
Os inimigos de Jesus O mataram. Se eles estavam dispostos a fazer isso, não seria estranho que o mundo nos tratasse com severidade também. Pedro escreveu: “Amados, não estranheis a ardente provação que vem sobre vós para vos experimentar, como se coisa estranha vos acontecesse” (1 Pedro 4:12). Ele continuou explicando que quando sofremos perseguição “como cristãos”, “não se envergonhe, antes glorifique a Deus neste nome” (1 Pedro 4:16).

No entanto, é importante notar que isso não foi apenas algo que Pedro disse, mas não conseguiu fazer. Foi assim que ele reagiu quando enfrentou a perseguição nas mãos dos líderes judeus - os mesmos que orquestraram a crucificação de Jesus: “açoitaram-nos e mandaram que não falassem em nome de Jesus, e os soltaram. Retiraram-se pois da presença do sinédrio, regozijando-se de terem sido julgados dignos de sofrer afronta pelo nome de Jesus” (Atos 5:40-41).

Embora não seja fácil regozijar-nos quando somos perseguidos por nossa fé, podemos fazê-lo se nos lembrarmos por que estamos suportando e qual é a recompensa que nos espera. Jesus disse: “Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós” (Mateus 5:12).

Conclusão

Antes de tomar a decisão de seguir a Cristo, devemos contar o custo. Jesus disse: “Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo. Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro a calcular as despesas, para ver se tem com que a acabar?” (Lucas 14:27-28).

Haverá dificuldades, até mesmo perseguição? Sim.

Vale a pena? Absolutamente!

Depois de nos tornarmos parte do "Caminho", nunca devemos esquecer o compromisso que assumimos. Vamos enfrentar dificuldades, mas podemos - e devemos - suportá-las. Se o fizermos, haverá uma grande recompensa.
Série: O Caminho (Parte 4): Problemas ao Longo do Caminho Série: O Caminho (Parte 4): Problemas ao Longo do Caminho Reviewed by Aldenir Araujo on 8/31/2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.