Série: O Caminho (Parte 2): Aprendendo Sobre o Caminho
“Félix, porém, que era bem informado a respeito do Caminho, adiou a questão, dizendo: Quando o comandante Lísias tiver descido, então tomarei inteiro conhecimento da vossa causa” (Atos 24:22).

Quando Paulo ficou diante de governantes em julgamento, alguns não sabiam nada sobre o pano de fundo de seus ensinamentos ou sobre a igreja. No entanto, Felix tinha “um conhecimento mais exato do Caminho”. Devido a esse conhecimento, ele estava em uma posição melhor do que os outros para crer na mensagem de Paulo e aceitar o evangelho como a verdade. Tanto quanto sabemos, Felix nunca obedeceu ao evangelho (Atos 24:24-27); mas ele começou em uma posição melhor do que muitos outros quando ouviram o evangelho pela primeira vez.

Para que o “Caminho” seja de algum benefício para nós, devemos conhecê-lo. O que as pessoas tinham que conhecer no primeiro século sobre o “Caminho” é o mesmo que precisamos saber sobre ele hoje. Como notamos na lição anterior, Jesus é “o caminho” (João 14:6). Além disso, Ele não muda: “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre” (Hebreus 13: 8). Portanto, "o Caminho" não mudou.

“O Caminho” descrito para nós no Novo Testamento ainda é “o Caminho” que devemos seguir. Precisamos desenvolver “um conhecimento mais exato sobre o Caminho” (Atos 24:22). Então, vamos observar o que as Escrituras nos ensinam sobre "o Caminho".

O Caminho Que é Estreito

Jesus comparou dois “caminhos” diferentes que poderíamos seguir - um caminho largo e um caminho estreito: “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, e poucos são os que a encontram” (Mateus 7:13-14). Estas são as únicas duas opções e levam a dois destinos muito diferentes. No entanto, nós temos a opção. Nós escolhemos o caminho que tomaremos.

Se quisermos seguir o caminho “que leva à vida”, devemos seguir o caminho “estreito” (Mateus 7:14). Mas o que Jesus quis dizer quando disse: “O caminho é estreito”? Primeiro, ele quis dizer que haveria dificuldades e obstáculos ao longo do caminho. A Nova Versão King James usa a palavra difícil neste verso para descrever “o caminho”. Discutiremos mais essa ideia na quarta lição.

Segundo, dizendo que “o caminho é estreito”, Jesus estava explicando a razão pela qual haveria “poucos” que seguiriam “o caminho” (Mateus 7:14). Mesmo que o caminho que leva à vida esteja aberto a todos, nem todos escolherão seguir esse caminho. Jesus disse a Nicodemos sobre o amor universal de Deus e a salvação que estava disponível como resultado: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). Paulo disse a Tito: “Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens” (Tito 2:11). No entanto, mesmo que Deus “amou o mundo” (João 3:16) e trouxe “salvação a todos os homens” (Tito 2:11), Jesus deixou claro que a maioria das pessoas não serão salvas. Por quê? O caminho é estreito e eles escolhem não seguir esse caminho.

O Caminho Da Verdade

Ao alertar sobre os falsos mestres, Pedro disse que eles fariam com que “o caminho da verdade [fosse] difamado” (2 Pedro 2:2). Precisamos reconhecer que quando se trata da verdade - especialmente a verdade que veio de cima - não é um conceito vago. O caminho da verdade é um caminho que pode ser identificado - até mesmo por aqueles que falariam mal dele.

Durante o julgamento de Jesus, Pilatos perguntou: “O que é a verdade?” (João 18:38). A verdade é encontrada na mensagem de Cristo. Jesus disse a Pilatos: “Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz” (João 18:37). Como já notamos em nosso estudo, Jesus disse a Seus discípulos: “Eu sou o caminho e a verdade…” (João 14: 6).

Esta verdade foi “revelada [a nós] através do Espírito” – uma vez que Ele combinou “pensamentos espirituais com palavras espirituais” - para que pudéssemos conhecer “a mente de Cristo” (1 Coríntios 2:10-16). Quando Jesus orou ao Pai, Ele disse: “Santifica-os na verdade; A tua palavra é a verdade” (João 17:17). O salmista abordou o mesmo ponto: “A soma da tua palavra é a verdade, e cada um dos teus juízos é eterno” (Salmos 119: 160). O “caminho da verdade” é encontrado na “palavra da verdade” (Colossenses 1:5; 2 Timóteo 2:15) que foi revelado nas Escrituras.

O fato de Pedro ter contrastado “o caminho da verdade” com “falsas palavras” (2 Pedro 2:2-3) mostra que a verdade é objetiva. Nós não conseguimos determinar a verdade por nós mesmos e simplesmente “seguir nosso coração” e esperar agradar a Deus. Sua palavra é "para sempre ... estabelecida no céu" (Salmos 119:89). Portanto, a palavra de Deus não vai mudar, não importa o quanto nossa sociedade mude ao nosso redor. Se quisermos seguir o caminho da verdade, devemos fazê-lo seguindo as Escrituras.

O Caminho da Justiça

Depois de falar do “caminho da verdade” (2 Pedro 2:2), Pedro falou sobre “o caminho da justiça”: “Porque melhor lhes fora não terem conhecido o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado” (2 Pedro 2:21). Isso também foi chamado de "o santo mandamento" neste verso. Em outras palavras, o “caminho da justiça” refere-se às regras que Deus nos deu.

Isso está relacionado aos dois primeiros pontos - o caminho é estreito e é baseado na verdade. Há uma diferença entre o certo e o errado e não podemos escolher qual é qual. O Senhor condenou aqueles que “ao mal chamam bem, e ao bem mal” (Isaías 5:20). O fato de que nós ou outros podemos chamar algo de “certo” não faz parte do caminho estreito que é fundado sobre a verdade.
O “caminho da justiça” é encontrado na palavra de Deus. Paulo deixou isso claro em seus escritos. Ele disse aos santos em Roma: “Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. Porque nele a justiça de Deus é revelada de fé em fé; como está escrito: Mas o justo viverá pela fé" (Romanos 1:16-17). Quando escreveu a Timóteo, ele disse: “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16-17). Temos que ir às Escrituras que foram reveladas por Deus para saber o que é certo.

No entanto, não é suficiente simplesmente saber que o “caminho da justiça” é encontrado na palavra de Deus - devemos também praticá-lo. João escreveu: “Filhinhos, ninguém vos engane; quem pratica a justiça é justo, assim como ele é justo” (1 João 3:7). Precisamos fazer mais do que apenas afirmar valorizar o que é certo; devemos fazer aquelas obras que as Escrituras nos equiparam para fazer (2 Timóteo 3:17).

Pedro também advertiu que é possível nos afastarmos do “caminho da justiça”. Quanto aos falsos mestres, o apóstolo escreveu: “Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo pelo pleno conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, ficam de novo envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior que o primeiro. Porque melhor lhes fora não terem conhecido o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado. Deste modo sobreveio-lhes o que diz este provérbio verdadeiro; Volta o cão ao seu vômito, e a porca lavada volta a revolver-se no lamaçal" (2 Pedro 2:20-22). Claramente, é possível cair e se perder (2 Coríntios 6:1; Gálatas 5:4; Hebreus 3:12-13; 10:35-39). Portanto, devemos continuar neste caminho seguindo o que é certo.

O Caminho da Salvação

Em Filipos, uma escrava que havia sido possuída por um espírito disse que Paulo proclamou “o caminho da salvação” (Atos 16:17). Apesar da fonte desse testemunho (alguém que possuía espírito), a afirmação era correta. Enquanto em Antioquia da Pisídia, em sua primeira turnê de pregação, Paulo e Barnabé disseram: “porque assim nos ordenou o Senhor: Eu te pus para luz dos gentios, a fim de que sejas para salvação até os confins da terra”. (Atos 13:47) Sua missão era pregar a salvação em Cristo - até mesmo o espírito que possuía a escrava em Filipos reconheceu isso.

Quando pensamos no “caminho da salvação”, há algumas maneiras diferentes de abordá-lo. Primeiro, temos salvação de alguma coisa. Para todos de uma idade responsável, o pecado é um problema. Paulo escreveu: "Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Romanos 3:23). Mais tarde, na mesma carta, ele escreveu: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). A "morte" que vem como uma punição pelo pecado é a morte espiritual e a separação eterna de Deus (Romanos 5:12; Efésios 2:1-3; 2 Tessalonicenses 1:8-9). Este é o destino que todos nós merecemos e estamos preparados para receber. O "caminho da salvação" nos permite escapar desse destino.

Em segundo lugar, temos salvação para alguma coisa. Nós fomos salvos para que pudéssemos fazer a vontade do Senhor. Paulo explicou isso aos efésios: “Porque pela graça sois salvos pela fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não como resultado de obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9). Enquanto somos salvos pela graça (favor imerecido), o Senhor claramente espera que sejamos obedientes a Ele e façamos aquelas “boas obras” que Ele “preparou de antemão para que andássemos nelas” (Efésios 2:10). Paulo disse a Tito que devemos ser “zelosos pelas boas obras” (Tito 2:14).

O Senhor nos redimiu para que façamos a Sua vontade e para que possamos estar com Ele por toda a eternidade. Pedro escreveu sobre isso em sua primeira carta: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para vós, que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo” (1 Pedro 1:3-5 ). Esta esperança está à disposição de todos os fiéis - mesmo "aqueles que adormeceram em Jesus" (1 Tessalonicenses 4:14).

Conclusão

Como notamos na lição anterior, Jesus é “o caminho” (João 14:6). Mas por que as pessoas no primeiro século O seguiram? Por que devemos segui-lo hoje? É porque Ele nos conduz no caminho da verdade, justiça e salvação.

É claro que precisamos lembrar que “poucos” seguirão “o caminho estreito que leva à vida” (Mateus 7:14). Vamos determinar estar entre os poucos e seguir o caminho estreito, não importando o que possa vir sobre nós.