Série: O Caminho

O Caminho: Introdução

Ao decidir em que direção seguir na vida, muitas pessoas escolhem “seguir o coração”. O que quer que pareça bom ou parece proporcionar satisfação é o caminho que elas seguem. Isso pode ser feito com motivos sinceros e com a aparência de sabedoria, mas no final esse caminho não proporcionará a satisfação que esperamos ou desejamos.

Determinar o curso que tomaremos na vida seguindo nosso coração é perigoso. O Senhor disse: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer?” (Jeremias 17:9). Quantas vezes as pessoas seguiram o coração e arruinaram suas vidas, tomando decisões que causaram danos a si mesmos e aos outros?

O profeta Jeremias reconheceu: “Eu sei, ó Senhor, que não é do homem o seu caminho; nem é do homem que caminha o dirigir os seus passos” (Jeremias 10:23). Perseguir o curso que decidimos é “futilidade e luta pelo vento” (Eclesiastes 2:17). Quando as pessoas percebem isso, torna-se uma fonte de frustração consistente. É por isso que Salomão escreveu: “Pelo que aborreci a vida, porque a obra que se faz debaixo do sol me era penosa; sim, tudo é vaidade e desejo vão. Também eu aborreci todo o meu trabalho em que me afadigara debaixo do sol, visto que tenho de deixá-lo ao homem que virá depois de mim” (Eclesiastes 2:17-18).

Se nosso coração é enganoso e nosso caminho não está em nós mesmos, como determinamos o caminho que precisamos seguir na vida?

Curiosamente, houve um grupo que começou em Jerusalém no primeiro século que foi referido como "o Caminho" (Atos 9:2). Eles eram seguidores de Jesus, que se declararam “o caminho” (João 14:6). O “Caminho” poderia ser o que as pessoas passaram a vida procurando? Sim!

O homem sábio escreveu: “[Deus] Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs na mente do homem a ideia da eternidade, se bem que este não possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim” (Eclesiastes 3:11). Em outras palavras, existe em cada um de nós a sensação de que há algo mais - algum propósito que é maior do que aquilo que vemos imediatamente ao nosso redor. Entretanto, ter esse “sentido” em nosso coração não significa que temos o conhecimento para nos dizer precisamente o que isso poderia ser. Lembre-se do que Jeremias disse: “não é do homem o seu caminho; nem é do homem que caminha o dirigir os seus passos” (Jeremias 10:23).

Paulo falou sobre isso quando se dirigiu aos filósofos, em Atenas. Vendo um altar a "um Deus desconhecido" (Atos 17:23), ele lhes falou sobre o Deus do céu: "e de um só fez todas as raças dos homens, para habitarem sobre toda a face da terra, determinando-lhes os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação; para que buscassem a Deus, se porventura, tateando, o pudessem achar, o qual, todavia, não está longe de cada um de nós” (Atos 17:26-27). Estamos aqui para buscar a Deus. Nós podemos encontrá-lo, mas somente se seguirmos "o caminho".

Nesta série de lições, vamos estudar sobre o “Caminho” - o que é e por que é o caminho que devemos seguir.