Série: A Raiz do Problema - O Problema do Pecado

Série: A Raiz do Problema - O Problema do Pecado
Há muitos problemas que o mundo enfrenta hoje, como a pobreza, a injustiça, a fome e a doença. Grandes quantidades de tempo, esforço e recursos são usados ​​para tentar encontrar soluções para esses problemas. Mesmo que não sintamos os efeitos desses mesmos, é natural que os seres humanos sintam empatia com aqueles que sofrem. Isto é particularmente verdadeiro se observarmos a ordem de Jesus "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo" (Mateus 22:39).

Apesar da dificuldade desses problemas que enfrentamos, há algo que é muito mais destrutivo e prevalente. Esse problema é o pecado.

"Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Romanos 3:23).

O problema do pecado não se limita a um determinado tempo, região ou pessoa - é universal. O pecado foi introduzido no mundo pouco depois da criação e continuará presente até o universo ser destruído. Embora seja bom que alguém deseje ajudar a aliviar os outros problemas que as pessoas enfrentam no mundo, nosso foco primário deve ser solucionar o problema do pecado - primeiro em nossa própria vida e também na vida dos outros.

Jesus veio à terra para oferecer perdão pelos nossos pecados. "Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito" (1 Pedro 3:18). O seu sangue nos purifica do pecado (1 João 1:7). Assim, o remédio para o pecado é encontrado em Cristo.

No entanto, o trabalho de Jesus em lidar com o pecado não se limitou apenas a que Ele dispensasse perdão. O perdão é certamente importante - é essencial, de fato, porque o salário do pecado é a morte (Romanos 6:23). Quando somos perdoados, então, através da graça de Deus, não aguardamos a pena pelos pecados que cometemos. Essas transgressões não serão mais lembradas contra nós. Graças a Deus por esse fato!

Mas há algo mais que Jesus nos forneceu em Sua morte. Ele carrega com ele um fardo que nos foi dado. Além do perdão dos pecados, Jesus também nos liberta do pecado.

Muitos não entendem esse dom de liberdade que Jesus deu. Eles desejam perdão, mas eles também querem continuar em seus pecados. Eles querem os benefícios da graça de Deus sem a responsabilidade do serviço a Cristo. Paulo aborda essa atitude entre os santos em Roma. Suas palavras são tão necessárias para nós hoje.

"Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?" (Romanos 6:1-2).

O pensamento dos romanos (assim como o pensamento de muitos cristãos hoje) cobre apenas metade do quadro. A graça de Deus oferece perdão? Absolutamente! Precisamos da Sua graça por causa do nosso pecado. Isso é completamente verdade. Mas então eles desenvolveram uma falsa suposição baseada nesse fato. Em sua mente, quanto mais pecavam, mais graça recebiam. No entanto, essa ideia simplesmente não é verdade. Por quê? Paulo responde com uma pergunta: "Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?"

Aqueles que se tornaram cristãos foram perdoados de seus pecados. Mas há mais do que isso. Não só fomos perdoados, mas nos tornamos mortos para o pecado. Paulo enfatiza esse ponto quando aborda o equívoco dos santos romanos quanto à graça e ao pecado:

"sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado. Pois quem está morto está justificado do pecado" (Romanos 6:6-7).

"Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus" (Romanos 6:11).

Quando somos crucificados com Cristo, somos livres do pecado. A graça de Deus não nos dá liberdade para pecar sem punição. A graça de Deus nos perdoa e nos livra dos grilhões do pecado. "Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça" (Romanos 6:14).

Paulo então aborda a pergunta óbvia: " Pois quê? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum" (Romanos 6:15). Por que não? Se Deus nos perdoou e Sua graça nos salva, por que precisamos nos preocupar com o pecado?

"Não sabeis que daquele a quem vos apresentais como servos para lhe obedecer, sois servos desse mesmo a quem obedeceis, seja do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Mas graças a Deus que, embora tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues; e libertos do pecado, fostes feitos servos da justiça" (Romanos 6:16-18).

O pecado nos escraviza. Isso pode acontecer mesmo depois que alguém obedeceu ao evangelho e obteve o perdão dos seus pecados. Um cristão ainda pode cair no pecado, "obedecer suas concupiscências" (Romanos 6:12), e mais uma vez tornar-se escravizado. Paulo nos diz: "O salário do pecado é a morte" (Romanos 6:23). Seríamos sábios aproveitar a graça de Deus para obter o perdão dos pecados e a liberdade da escravidão do pecado.

Os cristãos, portanto, não devem se comprometer com o pecado. No entanto, a triste realidade é que os cristãos se comprometem. Nós pecamos. Continuamos sem alcançar à glória de Deus, mesmo depois de termos sidos lavados dos nossos pecados. Por quê? E o que podemos fazer para evitar isso? Espero responder a estas perguntas nesta série.
Série: A Raiz do Problema - O Problema do Pecado Série: A Raiz do Problema - O Problema do Pecado Reviewed by Aldenir Araujo on 9/07/2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.