Série: A Raiz do Problema - "Nós Somos Apenas Humanos", Não é uma razão. Apenas uma desculpa
O pecado é um problema universal. Antes de dizer aos romanos que "todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Romanos 3:23), Paulo usa várias passagens do Antigo Testamento para lembrar aos seus leitores a natureza universal do pecado.

"Pois quê? Somos melhores do que eles? De maneira nenhuma, pois já demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem sequer um. Não há quem entenda; não há quem busque a Deus. Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.

A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo dos seus lábios; a sua boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Nos seus caminhos há destruição e miséria; e não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante dos seus olhos" (Romanos 3: 9-18).

Os judeus não podiam dizer que o pecado era apenas um problema dos gentios. Nem os gentios poderiam dizer que apenas os judeus estavam perdidos no pecado. Todas as pessoas de cada raça, tempo e local, pecaram.

Na Bíblia, encontramos um padrão consistente de pecaminosidade no homem. Adão e Eva, primeiro homem e mulher, transgrediram a ordem simples de Deus no Jardim (Gênesis 2:17; 3: 6). Foi quando o pecado foi introduzido no mundo. Algumas gerações depois, o homem progrediu até o ponto em que "era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente" (Gênesis 6:5). Consequentemente, Deus destruiu toda a humanidade, com exceção de Noé e sua família.

No entanto, isso não erradicou o problema. O pecado continuou. Nem mesmo os justos eram imunes. Davi, um homem segundo o coração de Deus (Atos 13:22), teve seu caso infame com Bate-Seba, que eventualmente levou Davi a matar seu marido (2 Samuel 11:1-17). Pedro, um dos apóstolos escolhidos pelo Senhor, negou o Senhor três vezes, mesmo depois de declarar inflexivelmente que estava disposto a morrer com Cristo (Mateus 26:33-35, 69-75).

O homem repetidamente mostrou preferência ao pecado - alguns em ocasião, alguns perpetuamente. Mas todos o fizeram. Ao considerar este fato, muitos se desanimam, pensando que não deve haver maneira de vencer o pecado. "Nós somos humanos" é a desculpa dada (como se isso de alguma forma justificasse as ações de alguém).

Um dos princípios fundamentais do Calvinismo é o pecado inerente do homem. A doutrina de Calvino da depravação total é a crença de que nascemos em tal estado que somos totalmente corruptos, inclinados ao pecado e incapazes de fazer o que é certo por nossa conta. A doutrina afirma que não se pode chegar a Deus sem uma operação direta do Espírito Santo em seu coração.

No entanto, a Bíblia ensina algo muito diferente de Calvino. "Deus fez o homem reto, mas os homens buscaram muitos artifícios" (Eclesiastes 7:29). Quando pecamos, é porque escolhemos pecar. Não é porque somos incapazes de nos ajudar, ou porque Deus não conseguiu fazer algo que nos impedisse de pecar. A doutrina de Calvino tira a culpa do pecado daquele que o comete e coloca em Deus por não regenerar o pecador.

É verdade que somos humanos. Mas essa não é uma desculpa para o pecado. De fato, enquanto vivermos, teremos o potencial de pecar. Mas isso não desculpa ou justifica. Nós ainda devemos fazer a escolha: fazer o bem ou fazer o mal.

Uma vida sem pecado é um objetivo impossível?

Ser humano não significa necessariamente ser pecaminoso. O mundo religioso nos condicionou a pensar dessa maneira, mas a pecaminosidade não é inerente à vida na terra. Nós pecamos quando escolhemos pecar. Então, como começamos nosso trabalho de erradicar o pecado de nossas vidas? Devemos começar por reconhecer que ser "apenas humano" não é uma desculpa para o pecado.

Mesmo que sejamos "apenas humanos", Deus espera certas coisas de nós. Devemos crucificar o velho homem, tornando-nos mortos para o pecado, e vestindo-nos do novo homem (Gálatas 2:20, Colossenses 3:9, Romanos 6:3-6). Somos chamados a santidade, como disse Pedro: "mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento" (1 Pedro 1:15). Jesus nos diz: "Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial" (Mateus 5:48).

A perfeição é realmente possível? Obviamente, somos incapazes de mudar o passado e desfazer os pecados que cometemos anteriormente. É aí que o perdão de Deus entra. Mas como é realista pensar que, a partir deste ponto, podemos viver sem pecado? Muitos dirão que isso é impossível. Eu diria que, embora não seja necessariamente provável, é possível.

Considere a garantia que Paulo dá aos irmãos em Corinto:

"Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar" (1 Coríntios 10:13).

Nunca encontraremos uma situação na qual não podemos deixar de pecar. Nunca. O que isso significa é que toda vez que você está tentado a pecar, você pode resistir a essa tentação e fazer o que é certo. Toda tentação que nos é apresentada pode ser resistida. Como podemos ter certeza disso? Deus fez a promessa. Ele fornece uma maneira de escapar sempre. Sabemos que estará lá porque Ele é fiel. Cabe a nós encontrar essa maneira de escapar que Ele prometeu.

Apesar da garantia divina de que podemos vencer cada tentação, o homem continua a pecar. Aqueles que reconhecem que sua humanidade não é uma desculpa e que entendem o que Deus exige de nós, eles ainda pecam. Devemos fazer mais para erradicar o pecado de nossas vidas. Enquanto continuamos neste estudo, examinaremos as razões pelas quais pecamos e vemos o que podemos fazer para superá-lo.

Resumo

Se você deseja remover o pecado da sua vida, pare de apresentar desculpas. Embora a história do homem mostre preferência pelo pecado, esta é uma questão de escolha, não uma depravação inerente. Lembre-se da promessa divina: todo pecado pode ser vencido.