Série: A Raiz do Problema - Arrogância
A Bíblia rotula claramente a arrogância como pecado. Tiago nos diz que “Deus resiste aos soberbos” (Tiago 4:6). O escritor Provérbio lista orgulho como uma das coisas que o Senhor odeia (Provérbios 6:16-17).

A arrogância é frequentemente mencionada nas listas de pecados - os pecados dos gentios (Romanos 1:30), aqueles que Paulo temia serem encontrados entre os santos em Corinto (2 Coríntios 12:20), e os pecados dos falsos mestres (2 Timóteo 3:2). A razão pela qual pode ser encontrada nessas listas é porque a arrogância geralmente está ligada a outros pecados. Podemos pensar em arrogância como um pecado de “porta de entrada”. Abre a porta para muitos outros. Muitas vezes é o começo da nossa queda.

“A soberba precede a destruição, e a altivez do espírito precede a queda” (Provérbios 16:18).

Infelizmente, esse aviso é muitas vezes ignorado. A arrogância é um pecado na medida em que leva a mais pecado e, finalmente, à destruição. No entanto, continuamos a pensar mais em nós mesmos do que deveríamos. Quando começamos a pensar dessa maneira, estamos em perigo.

“Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense de si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus, repartiu a cada um” (Romanos 12:3).

“sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altivas mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios aos vossos olhos” (Romanos 12:16).

A visão que temos de nós mesmos precisa estar alinhada com o padrão de Deus. A maneira de ter bom senso é seguir a palavra de Deus. Em vez de ser sábio à nossa vista, devemos seguir a Sua sabedoria. Quando pensamos em nós mesmos além do que Deus disse, nossas atitudes em relação a nós mesmos e ao padrão de Deus mudam.

Quando pensamos muito em nós mesmos

A arrogância nos leva a pensar que não podemos cair. Neste estudo, vimos como podemos vencer o pecado com a compreensão de que somos capazes de fazê-lo. E se formos bem sucedidos em desistir do pecado? Podemos deixar nossa guarda baixa? Devemos nos orgulhar de que vencemos o pecado e nunca mais cairemos? Certamente não. Mesmo se alguém desiste do pecado, a possibilidade de pecar novamente permanece.

"Aquele, pois, que pensa estar em pé, olhe não caia" (1 Coríntios 10:12).

Mesmo depois de nos arrependermos e tirarmos o pecado de nossas vidas, devemos ser diligentes em mantê-lo de fora. Se começarmos a pensar em nossas realizações - e o arrependimento é uma conquista, para muitas pessoas falharem em fazê-lo - corremos o risco de ignorar a ameaça do pecado e da tentação. Lembre-se do exemplo de Pedro.

“Mas Pedro, respondendo, disse-lhe: Ainda que todos se escandalizem de ti, eu nunca me escandalizarei. Disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que esta noite, antes que o galo cante três vezes me negarás. Respondeu-lhe Pedro: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de modo algum te negarei. E o mesmo disseram todos os discípulos" (Mateus 26:33-35).

Pedro estava muito confiante - um pouco confiante demais. Ele disse que nunca iria cair. Ele caiu? Claro que ele caiu. Naquela mesma noite, depois que Jesus foi preso, Pedro fez o que Jesus disse que faria - negue o Senhor três vezes (Mateus 26:34, 69-75). Ele poderia estar seguro de si mesmo no momento em que ele corajosamente alegou que nunca iria cair. Mas a situação mudou e Pedro cedeu à tentação de negar o Senhor. Confiança e determinação em um ponto no tempo não garantem uma fé inabalável depois. Devemos nos lembrar do exemplo de Pedro e sermos diligentes para evitar que o pecado escorregue de volta para nossas vidas.

A arrogância também nos leva a acreditar que temos direito a certas coisas. Nossa sociedade desenvolveu essa mentalidade que atualmente está levando o país à ruína financeira. Se Satanás pode nos convencer de que temos direito a certas coisas quando não temos, podemos cair em várias tentações: a tentação de não trabalhar duro porque outra pessoa suprirá nossas necessidades, nos ressentir de outras pessoas quando nossas necessidades não forem supridas, e enganar os outros para conseguir o que achamos que merecemos.

Essa atitude arrogante de direito está muito longe do que nos é recomendado nas Escrituras. Lembre-se das humildes atitudes de Davi e do coletor de impostos de quem Jesus falou.

“Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que estabeleceste, que é o homem, para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites?” (Salmo 8:3-4).

“Mas o publicano, estando em pé de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: ó Deus, sê propício a mim, o pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que a si mesmo se exaltar será humilhado; mas o que a si mesmo se humilhar será exaltado” (Lucas 18:13-14).

Em vez de um senso de direito, devemos possuir a humildade desses homens, reconhecendo que somos indignos do favor e das bênçãos de Deus.

A arrogância também nos permitirá pensar que as regras não se aplicam a nós. Quando Paulo começou sua carta aos santos em Roma, ele passou a última metade do primeiro capítulo acusando os gentios por seus pecados. Os judeus, que geralmente depreciavam os gentios, já teriam reconhecido essas falhas e estariam em total concordância com a avaliação de Paulo do estado dos gentios. Infelizmente, os judeus, embora reconhecendo a pecaminosidade dos gentios, tornaram-se cegos para seus próprios pecados.

“Portanto, és inescusável, ó homem, qualquer que sejas, quando julgas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu que julgas, praticas o mesmo” (Romanos 2:1).
“tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Tu, que dizes que não se deve cometer adultério, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, roubas os templos? Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei?” (Romanos 2:21-23).

O padrão de Deus que havia sido violado pelos gentios aplicava-se tanto aos judeus. Embora eles pudessem ver os pecados dos outros, eles falharam em ver seu próprio estado condenado à luz da lei de Deus. Em vez disso, em sua percepção, eles de alguma forma se tornaram acima da lei.

Uzias, um dos reis de Judá, ilustra a mentalidade arrogante de alguém que acredita estar acima da lei. Depois de desfrutar de um período de grande sucesso e prosperidade, ele se tornou arrogante e pecou contra Deus.

“Mas, quando ele se havia tornado poderoso, o seu coração se exaltou de modo que se corrompeu, e cometeu transgressões contra o Senhor, seu Deus; pois entrou no templo do Senhor para queimar incenso no altar do incenso. Mas o sacerdote Azarias entrou após ele, com oitenta sacerdotes do Senhor, homens valorosos, e se opuseram ao rei Uzias, dizendo-lhe: A ti, Uzias, não compete queimar incenso perante o Senhor, mas aos sacerdotes, filhos de Arão, que foram consagrados para queimarem incenso. Sai do santuário, pois cometeste uma transgressão; e não será isto para honra tua da parte do Senhor Deus. Então Uzias se indignou; e tinha na mão um incensário para queimar incenso. Indignando-se ele, pois, contra os sacerdotes, nasceu-lhe a lepra na testa, perante os sacerdotes, na casa de Senhor, junto ao altar do incenso. Então o sumo sacerdote Azarias olhou para ele, como também todos os sacerdotes, e eis que já estava leproso na sua testa. E apressadamente o lançaram fora, e ele mesmo se apressou a sair, porque o Senhor o ferira” (2 Crônicas 26:16-20).

A Lei de Moisés especificava claramente que a obra sacerdotal, incluindo a queima do incenso, era reservada para os da tribo de Levi (Números 3:9-10; 16:39-40). Esta regra não deveria ser alterada, nem mesmo para Jesus quando Ele veio em carne (Hebreus 7:11-14). Ainda em sua arrogância, Uzias acreditava que ele deveria ser capaz de realizar este trabalho sozinho. Ele não via mais a regra se aplicando a ele, então ele pecou.

Aprendendo humildade

O oposto da arrogância é a humildade. É essa qualidade que Deus exige de nós hoje. Se não formos humildes, Deus não nos aceitará.

“Todavia, dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos; dá, porém, graça aos humildes" (Tiago 4:6).

Jesus ensinou a importância da humildade quando iniciou Seu sermão no monte com estas palavras: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:3). Nós sabemos que devemos ser humildes. Mas como aprendemos humildade?

Primeiro, devemos nos lembrar de quem somos. Fomos feitos à imagem de Deus (Gênesis 1:27), mas somos como pó e voltaremos a pó quando a nossa vida acabar (Gênesis 3:19). Nossa vida aqui é “apenas um vapor que aparece por um tempo e depois desaparece” (Tiago 4:14). Mas enquanto aqui, lembre-se que “seu corpo é um templo do Espírito Santo… e você não é seu”, mas foi “comprado por um preço: portanto glorifique a Deus em seu corpo” (1 Coríntios 6:19-20) . Deus nos criou e nos redimiu. Portanto, devemos usar o tempo limitado que temos para servi-lo.

Em segundo lugar, precisamos nos lembrar de quem é Deus. Ele é o Criador (Salmo 100:3), bem como nosso juiz (2 Coríntios 5:10). Ele é também aquele que merece nosso maior respeito. Como diz o escritor hebreu: “Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo” (Hebreus 10:31).

Terceiro, precisamos nos lembrar do nosso lugar no grande projeto das coisas. Paulo reconheceu que, embora ele fosse um apóstolo igual aos outros, ele mesmo era “um ninguém” (2 Coríntios 12:11). Não importa quem somos, somos apenas um dos muitos membros úteis do corpo de Cristo (1 Coríntios 12:12-14).

Como Pedro disse, “...E cingi-vos todos de humildade..., porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (1 Pedro 5:5).

Resumindo

A arrogância é um pecado de “porta de entrada”, abrindo a porta para futuras transgressões. Para superar isso, você deve aprender a humildade. Não pense mais em si mesmo do que deveria pensar. Entenda que você pode cair e pode também se proteger diligentemente contra a tentação.