Série: A Raiz do Problema - Pressão dos Colegas
A pressão dos colegas pode ser uma influência muito forte ao pecado. As crianças em idade escolar são ensinadas a superar a pressão dos colegas e a não seguir a multidão quando seus amigos estão fazendo coisas que não deveriam fazer. Mas, apesar das contínuas advertências, muitas crianças ignoram essas advertências e fazem o que é errado para que elas possam se encaixar. O escritor do Provérbio alertou contra isso mesmo.

“Filho meu, se os pecadores te quiserem seduzir, não consintas” (Provérbios 1:10).

Embora essas advertências sejam boas e necessárias para nossos filhos, não devemos limitar nossa instrução sobre isso a essa faixa etária específica. Todas as pessoas, independentemente da idade, podem ser tentadas dessa maneira. Paulo adverte os irmãos em Corinto sobre isso.

“Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes” (1 Coríntios 15:33).

Paulo não dá essa instrução para apenas um grupo de cristãos. É para todos os seguidores de Cristo. Cada um de nós precisa se proteger contra as tentações que vêm da pressão dos colegas. É um problema sério. Encontramos alguns exemplos no Novo Testamento que mostram a poderosa influência da pressão dos colegas para o mal.

Então, prendendo-o, o levaram e o introduziram na casa do sumo sacerdote; e Pedro seguia-o de longe. E tendo eles acendido fogo no meio do pátio e havendo-se sentado à roda, sentou-se Pedro entre eles. Uma das empregadas o viu sentado ali perto da fogueira, olhou bem para ele e disse: Este homem também estava com Jesus. Mas Pedro o negou, dizendo: Mulher, não o conheço. Daí a pouco, outro o viu, e disse: Tu também és um deles. Mas Pedro disse: Homem, não sou”.

“E, tendo passado quase uma hora, outro afirmava, dizendo: Certamente este também estava com ele, pois é galileu. Mas Pedro respondeu: Homem, não sei o que dizes. E imediatamente estando ele ainda a falar, cantou o galo”.

“Virando-se o Senhor, olhou para Pedro; e Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe havia dito: Hoje, antes que o galo cante, três vezes me negarás. E, havendo saído, chorou amargamente" (Lucas 22:55-62).

Pedro foi muito ousado ao declarar a Jesus: "Senhor, estou pronto a ir contigo tanto para a prisão como para a morte" (Lucas 22:33). Isso foi apenas um pouco antes que ele negasse o Senhor três vezes. O que mudou tão rapidamente? Ele estava em uma multidão diferente. Enquanto estava com Jesus e seus companheiros discípulos, ele estava confiante e pronto para sofrer por Cristo. Mas quando ele estava cercado por aqueles que não eram companheiros discípulos, entre um grupo que não alegava lealdade a Cristo, ele negou o Senhor. Não há razão para duvidar da sinceridade da afirmação anterior de Pedro a Jesus de que ele seria fiel, não importa o quê. Mas vemos que uma multidão hostil à verdade e à retidão, como aquela em que Pedro se encontrou e aquelas em que nos encontraremos hoje, é uma poderosa influência para o pecado.

“Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe na cara, porque era repreensível. Pois antes de chegarem alguns da parte de Tiago, ele comia com os gentios; mas quando eles chegaram, se foi retirando e se apartava deles, temendo os que eram da circuncisão. E os outros judeus também dissimularam com ele, de modo que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação” (Gálatas 2:11-13).

Infelizmente, não é apenas um grupo mundano de pessoas que pode nos pressionar a pecar. Às vezes nossos irmãos podem nos influenciar a pecar também. Até mesmo Barnabé, um cristão fiel e forte, foi levado ao pecado por seus irmãos. Nós devemos estar sempre em guarda. Só porque alguém é um cristão fiel, isso não significa que ele não pode cair em pecado. Se deixarmos a guarda baixa, podemos facilmente segui-lo no pecado também.

Independentemente da fonte, das pessoas no mundo ou dos nossos irmãos e irmãs em Cristo, devemos evitar cair na armadilha da pressão dos colegas.

Precisamos estar dispostos a desistir de associações que impedem nossa caminhada com Cristo. Observe as palavras sóbrias de Jesus:

“Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim” (Mateus 10:34-37).

Jesus não está dizendo que Ele iria dividir todas as famílias em geral. Mas Ele está exigindo fidelidade total, mesmo que isso signifique escolhê-lo sobre os membros de nossa própria família. Se houver sempre um conflito e uma escolha a ser feita entre agradar a nossa família e agradar ao nosso Senhor, devemos escolher agradar a Cristo todas as vezes.

Paulo expressa essa mesma atitude ao escrever para as igrejas da Galácia:

“Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10).

Quem vamos tentar agradar? Se estamos tentando agradar aos homens, então, como Paulo, não podemos ser servos de Cristo. Nós temos que fazer essa escolha. Seguir a multidão e sucumbir à pressão dos colegas nos impede de poder servir ao Senhor como Ele exige.

Precisamos desistir do desejo de popularidade e aceitação de nossos colegas, não importa quão velhos ou jovens somos. O caminho de Cristo não é um caminho popular. Esta lição é repetidamente dada em todo o Novo Testamento.

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, e poucos são os que a encontram” (Mateus 7:13-14).

“E sereis odiados de todos por causa do meu nome, mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mateus 10:22).

“Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia” (João 15:18-19).

“Porque é bastante que no tempo passado tenhais cumprido a vontade dos gentios, andando em dissoluções, concupiscências, borrachices, glutonarias, bebedices e abomináveis idolatrias. E acham estranho não correrdes com eles no mesmo desenfreamento de dissolução, blasfemando de vós” (1 Pedro 4:3-4).

Observe o que Pedro diz na última passagem acima. Se você é cristão e vive como cristão, as pessoas perceberão que você é diferente. Alguns têm o conceito de que os cristãos essencialmente não são diferentes do mundo, exceto pelo fato de termos sido perdoados. Isto é falso. Cristãos são diferentes. Nós agimos, falamos e pensamos de maneira diferente do mundo. Isso é esperado de nós se quisermos seguir a Cristo.

Ouse permanecer firme como Josué

Depois que Josué liderou os israelitas na terra de Canaã, derrotou seus inimigos e dividiu suas terras, dirigiu-se a eles pela última vez. Eles estavam em uma encruzilhada. Deus os entregou na terra. Mas os que os lideraram logo desapareceriam. Ele os encorajou a escolher por si mesmos para servir ao Senhor.

“Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e com verdade; deitai fora os deuses a que serviram vossos pais dalém do Rio, e no Egito, e servi ao Senhor. Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei hoje a quem haveis de servir; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24:14-15).

Josué queria que os israelitas fizessem a escolha certa. Mas, independentemente de qual seria sua escolha, sua mente já estava decidida. Ele e sua família serviriam ao Senhor, mesmo que todas as outras famílias decidissem servir a deuses estrangeiros. Ele não seria pressionado a pecar contra o Senhor.

Precisamos ter a mesma mentalidade de Josué. Em cada decisão em que devemos escolher entre o certo e o errado, nossa decisão já foi tomada. Não importa o que os outros decidam, vamos fazer o que é certo.

Resumindo

A pressão de seus colegas pode ser uma influência poderosa para levar alguém a pecar. Você precisa reconhecer que isso é um problema para todas as idades - não apenas para os jovens. Para superar a pressão dos colegas, você deve colocar Cristo à frente de todos os outros. Tome a decisão de fazer o que é certo antes e sem que os outros tenham que decidir primeiro.