Uma Visão Inadequada de Deus

Texto: Êxodo 20:4-5

Os fariseus, saduceus e escribas passavam a vida procurando manipular a lei em proveito próprio. No entanto, os Dez Mandamentos nos lembram que existem leis eternas no universo pelas quais precisamos viver para que a vida seja vivida de acordo com a vontade de Deus. E para entendermos as leis de Deus, precisamos ter uma visão correta de Deus.

Nós Não Podemos Manipular Deus
Uma Visão Inadequada de Deus

Procuramos manipular Deus quando procuramos recriar Deus segundo a nossa própria imagem dele.

O primeiro mandamento nos instrui a colocar Deus em primeiro lugar. O segundo mandamento adverte contra a adoração do verdadeiro Deus sob alguma forma falsa ou com uma visão distorcida de sua natureza.

Êxodo 20:3-6

3 Não terás outros deuses diante de mim. 4 Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. 5 Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. 6 e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos”.

Quando Arão fez o bezerro fundido, ele estava procurando recriar o Deus que os tirou do Egito na imagem de um animal.

Êxodo 32:3-5

3 Então todo o povo, tirando os pendentes de ouro que estavam nas suas orelhas, os trouxe a Arão; 4 ele os recebeu de suas mãos, e com um buril deu forma ao ouro, e dele fez um bezerro de fundição. Então eles exclamaram: Eis aqui, ó Israel, o teu deus, que te tirou da terra do Egito. 5 E Arão, vendo isto, edificou um altar diante do bezerro e, fazendo uma proclamação, disse: Amanhã haverá festa ao Senhor”.

Arão não estava tentando criar um novo deus. Ele estava tentando representar Deus de uma maneira tangível. Aarão disse: "Eis aqui, ó Israel, o teu deus, que te tirou da terra do Egito". Então Arão diz: "Amanhã haverá uma festa para o SENHOR". É óbvio que ele fez o bezerro de ouro para representar a Deus. Ele estava promovendo uma visão distorcida de Deus enquanto procurava recriar Deus em sua própria imagem dele. Era um esforço para arrastar Deus ao seu nível. Deus nos criou à sua própria imagem, mas procuramos recriar Deus segundo a nossa própria imagem dele.

Romanos 1:21-25

21 porquanto, tendo conhecido a Deus, contudo não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes nas suas especulações se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. 22 Dizendo-se sábios, tornaram-se estultos, 23 e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. 24 Por isso Deus os entregou, nas concupiscências de seus corações, à imundícia, para serem os seus corpos desonrados entre si; 25 pois trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura antes que ao Criador, que é bendito eternamente. Amém”.

Quando Ezequias se tornou rei de Israel ele, "4 Tirou os altos, quebrou as colunas, e deitou abaixo a Asera; e despedaçou a serpente de bronze que Moisés fizera (porquanto até aquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso), e chamou-lhe Neüstã. 5 Confiou no Senhor Deus de Israel, de modo que depois dele não houve seu semelhante entre todos os reis de Judá, nem entre os que foram antes dele. 6 Porque se apegou ao Senhor; não se apartou de o seguir, e guardou os mandamentos que o Senhor ordenara a Moisés. 7 Assim o Senhor era com ele; para onde quer que saísse prosperava. Rebelou-se contra o rei da Assíria, e recusou servi-lo" (II Reis 18:4-7). A serpente de bronze foi mantida como um lembrete de como Deus os salvou das serpentes no deserto. No entanto, tornou-se um símbolo com poderes mágicos nas mentes dos israelitas.

Podemos fazer o mesmo com a Ceia do Senhor. Muitos tentam mudar a Ceia do Senhor para a própria presença de Deus através da doutrina da transubstanciação. O dicionário define a transubstanciação como: "A doutrina que sustenta que o pão e o vinho da Eucaristia são transformados no corpo e no sangue de Jesus, embora suas aparições permaneçam as mesmas". A transubstanciação é uma violação do segundo mandamento quando se procura transformar Deus nos elementos do pão e do vinho. Nós não temos que trazer Deus ao nosso nível para desfrutar da sua presença, pois ele vive em cada um de nós através do seu Espírito Santo. A presença de Deus é mais real do que o pão e o vinho, que servem apenas como um lembrete do que Deus e Cristo fizeram por cada um de nós.

O segundo mandamento não proíbe os símbolos cristãos, como uma cruz ou um peixe. Isso nos proíbe de atribuir poderes sagrados a esses símbolos para afastar o mal. Somente quando atribuímos poderes especiais ao peixe ou à cruz, eles se tornam símbolos proibidos. Quando Samuel ergueu uma pilha de pedras como um memorial a Deus por levá-los à vitória contra os filisteus, ele chamou o lugar do memorial Ebenézer. Não era uma pilha sagrada de pedras que representava a presença de Deus naquele lugar em particular durante todo o tempo; era apenas um memorial.

Equívocos Distorcidos em Relação a Deus

Você não precisa recriar Deus em um objeto inanimado para violar o segundo mandamento. Uma visão mental distorcida de Deus é também uma violação do segundo mandamento.

Podemos distorcer nossa visão de Deus distorcendo a lei de Deus. Entender a graça de Deus e a lei de Deus é como fazer a pergunta: "O que veio primeiro a galinha ou o ovo?" Grande parte da confusão no mundo religioso gira em torno das questões: "A graça de Deus vem da obediência à lei? Ou a lei foi dada como resultado da graça de Deus?" É a velha questão de saber se ganhamos a salvação através de nossos méritos ou se a salvação é um dom gratuito de Deus.

Muitos confiam em sua obediência à lei como meio de libertação do pecado, em vez de confiar em Deus. Eles confiam no código legalista para sua libertação. Em seu próprio pensamento, Deus se torna devedor a eles. Ele lhes deve a salvação por causa de sua obediência. Eles colocaram sua confiança na lei, e não em Deus.

Lucas 18:9-14

9 Propôs também esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: 10 Dois homens subiram ao templo para orar; um fariseu, e o outro publicano. 11 O fariseu, de pé, assim orava consigo mesmo: ó Deus, graças te dou que não sou como os demais homens, roubadores, injustos, adúlteros, nem ainda com este publicano. 12 Jejuo duas vezes na semana, e dou o dízimo de tudo quanto ganho. 13 Mas o publicano, estando em pé de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: ó Deus, sê propício a mim, o pecador! 14 Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que a si mesmo se exaltar será humilhado; mas o que a si mesmo se humilhar será exaltado”.

Podemos distorcer nossa visão de Deus distorcendo a graça de Deus. Uma visão distorcida da graça de Deus pode nos fazer fechar os olhos ao que é certo. Alguns concluem que a graça lhes dá a liberdade de viver em pecado. Depois de ouvir sobre as maravilhosas maravilhas da graça de Deus, os romanos estavam chegando a essa conclusão. Paulo responde suas perguntas sobre a liberdade de continuar no pecado.

Romanos 6:1-2, 15

1 Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? 2 De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele? 15 Pois quê? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum”.

Uma falsa opinião de Deus pode nos deixar acreditando que Deus é negligente em relação ao pecado. Mas nada poderia estar mais longe da verdade. Como Deus poderia ser um Deus de compaixão se ele nos permitisse viver estilos de vida destrutivos, forças pecaminosas sobre nós?

Podemos distorcer nossa visão de Deus ao falhar em entender a longanimidade de Deus. Deus não é um tirano que pode esperar para nos punir pelos nossos pecados. "24 Chegando por fim o que recebera um talento, disse: Senhor, eu te conhecia, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste, e recolhes onde não joeiraste; 25 e, atemorizado, fui esconder na terra o teu talento; eis aqui tens o que é teu" (Mateus 25:24-25) Quantos de nós temos esse tipo de imagem falsa de Deus. Pode nos levar a pensar que somos humildes porque podemos admitir que não podemos viver de acordo com a expectativa de Deus sobre nós, mas violamos o segundo mandamento com uma visão distorcida de Deus.

Essa visão distorcida de Deus nos impede de fazer a obra de Deus. É errado crer que devemos estar de acordo com um determinado padrão antes de sermos aceitáveis ​​a Deus. Precisamos perceber que um Deus compassivo nos aceita onde estamos e que é longânimo para aqueles que fracassam. Essa visão de Deus nos possibilita começar a servi-lo onde quer que estejamos.

Na história sobre o filho pródigo, Jesus estava procurando dar aos seus ouvintes uma visão correta do Deus. Tanto o filho pródigo quanto o irmão mais velho tinham uma visão distorcida de Deus. Depois de desperdiçar sua herança, o filho pródigo estava indo para casa para contratar seu pai como empregado contratado. Mas ele foi aceito de volta como seu filho. O irmão mais velho não conseguia entender como seu pai poderia aceitar seu irmão depois que ele desperdiçou sua herança. Ambos precisavam de uma visão correta de Deus.

Podemos distorcer nossa visão de Deus quando acreditamos que devemos louvar a Deus para obter suas bênçãos. O verdadeiro louvor reconhece o que Deus fez, está fazendo e fará.

Os louvores a Deus devem ser cantados porque Deus já nos abençoou. O louvor é o resultado de refletir sobre o que Deus fez. Foi a libertação de Israel do Egito que seria o fator motivador para manter a lei. Moisés prefacia os Dez Mandamentos com esta declaração. "1 Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: 2 Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. 3 Não terás outros deuses diante de mim" (Êxodo 20:1-3). Este conceito é encontrado em todo o Antigo Testamento.

Deuteronômio 8:1-11

1 Todos os mandamentos que hoje eu vos ordeno cuidareis de observar, para que vivais, e vos multipliqueis, e entreis, e possuais a terra que o Senhor, com juramento, prometeu a vossos pais. 2 E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o Senhor teu Deus tem te conduzido durante estes quarenta anos no deserto, a fim de te humilhar e te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos. 3 Sim, ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que nem tu nem teus pais conhecíeis; para te dar a entender que o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor, disso vive o homem. 4 Não se envelheceram as tuas vestes sobre ti, nem se inchou o teu pé, nestes quarenta anos. 5 Saberás, pois, no teu coração que, como um homem corrige a seu filho, assim te corrige o Senhor teu Deus. 6 E guardarás os mandamentos do Senhor teu Deus, para andares nos seus caminhos, e para o temeres. 7 Porque o Senhor teu Deus te está introduzindo numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes e de nascentes, que brotam nos vales e nos outeiros; 8 terra de trigo e cevada; de vides, figueiras e romeiras; terra de oliveiras, de azeite e de mel; 9 terra em que comerás o pão sem escassez, e onde não te faltará coisa alguma; terra cujas pedras são ferro, e de cujos montes poderás cavar o cobre. 10 Comerás, pois, e te fartarás, e louvarás ao Senhor teu Deus pela boa terra que te deu. 11 Guarda-te, que não te esqueças do Senhor teu Deus, deixando de observar os seus mandamentos, os seus preceitos e os seus estatutos, que eu hoje te ordeno”

Ao longo destes versos, Moisés busca motivar Israel por causa do que Deus fez por eles. Deus os humilhou, testou-os, deu-lhes roupas e sapatos permanentes, e seus pés não incharam enquanto caminhavam pelo terreno árido do deserto do Sinai. Então Moisés escreve para encorajar Israel a louvar a Deus depois que eles herdarem Canaã: "Comerás, pois, e te fartarás, e louvarás ao Senhor teu Deus pela boa terra que te deu". É óbvio que a verdadeira obediência e louvor vem de corações que entendem o que Deus fez por eles.

Se nosso louvor é para o propósito de receber a bênção de Deus, nosso louvor é egoísta. É interessante notar que Moisés está encorajando-os a louvar a Deus depois de receberem sua herança na terra de Canaã e não para receber sua herança. Isso não anulou o fato de que teriam que atravessar o rio Jordão e conquistar a terra de Canaã. Quarenta anos antes, Israel havia aprendido que não poderia receber a herança sem atravessar o rio Jordão pela fé nas promessas de Deus. O presente era deles para tomar, mas sem a bênção intencional de Deus, teria sido impossível.

Êxodo 20:5-6

5 Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. 6 e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos”.

O amor infalível de Deus é a base do nosso amor e louvor. A libertação de Deus não veio para nós porque nós ganhamos e as bênçãos contínuas de Deus não vêm para nós porque as ganhamos. Nosso louvor a Deus é por causa do amor infalível de Deus que nos salvou e continuará a nos manter salvos. Esses conceitos motivam nosso louvor e obediência.

Salmos 33:18-22

18 Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua benignidade, 19 para os livrar da morte, e para os conservar vivos na fome. 20 A nossa alma espera no Senhor; ele é o nosso auxílio e o nosso escudo. 21 Pois nele se alegra o nosso coração, porquanto temos confiado no seu santo nome. 22 Seja a tua benignidade, Senhor, sobre nós, assim como em ti esperamos”.

Nós "esperamos com esperança no Senhor" porque entendemos o seu amor infalível. O louvor é o resultado de colocar nossa esperança em Deus que nunca nos faltará (Hebreus 13:5).

A única maneira de realmente louvar a Deus é dar sua vida a ele. Algumas igrejas ensinam que alguém é batizado porque alguém já foi salvo, enquanto outros ensinam que é preciso receber o batismo para ser salvo. O batismo deve ser visto como o lugar onde nós entregamos nossas vidas a Deus por apreciação do que Deus fez e o que ele continuará a fazer por nós. Este é o lugar onde nós recebemos o perdão de nossos pecados passados ​​e a garantia de nosso perdão futuro.

Nós distorcemos nossa visão de Deus quando pensamos que Deus só está preocupado com o que fazemos no domingo. A frequência à igreja é apenas uma pequena parte de nossas vidas e não nos isenta da responsabilidade de louvar a Deus em todos os outros dias da semana. Eu acho que é triste quando medimos a fidelidade de uma pessoa apenas pela frequência à igreja.

Mateus 5:23-24

"23 Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta no altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24 deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta”.

Eu acho que Jesus gostaria de dizer a alguns para irem para casa e endireitarem suas vidas, e então você pode voltar para adorar.

Nós distorcemos nossa visão de Deus quando pensamos que Deus é responsável por todas as coisas ruins que acontecem. Devemos entender que Satanás está destinado a nos destruir e Deus para nos salvar. A morte entrou neste mundo através do pecado, que Satanás trouxe ao mundo (Romanos 5:12). Satanás está disposto a trazer a morte para todas as circunstâncias em que nos encontramos, enquanto Deus está buscando nossa libertação final, independentemente do que Satanás faça.

Conclusão: Uma visão inadequada de Deus nos deixará na miséria, à medida que procuramos conformar Deus ao nosso modo de pensar. Seria o máximo da loucura procurar limitar um Deus onipotente, onisciente e onipresente aos confins da existência e do pensamento humanos.

Nossas visões inadequadas de Deus não o obrigam a viver de acordo com essas visões.
Uma Visão Inadequada de Deus Uma Visão Inadequada de Deus Reviewed by Aldenir Araújo on 4/04/2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.