O conceito da "graça" de Deus é emocionante além das palavras. Ele brilha, no entanto, contra o pano de fundo aparentemente escuro de outro aspecto da natureza de nosso Criador - o da ira sagrada.

A Ira de Deus

A palavra grega mais comum para "ira" é orge. O termo ocorre 36 vezes no Novo Testamento (Romanos 1:18; 2:5). Outra expressão que denota “ira” é timós (18 vezes; Apocalipse 16:19; 19:15).

A maioria dos estudiosos faz alguma distinção entre os termos. Alguns sugerem que o timós é a ira "fervente", enquanto que o orge reflete um estado de espírito "permanente e estabelecido". Talvez os dois termos em conjunto denotem a disposição intensa e sustentada de Deus para com o mal e aqueles que se entregam a ele.

Mas a ira, como usada por Deus, não sugere uma reação impulsiva e emocional, como o termo frequentemente faz com os humanos.

Pelo contrário, a ira divina é o reflexo de uma reação deliberada e medida de um Ser perfeitamente santo ao pecado - uma resposta que é inteiramente consistente com a natureza justa de um Deus amoroso.

De pé sobre a severidade da ira sagrada, está o deslumbrante conceito da graça.

Graça Definida

O Verdadeiro Significado da Graça
"Graça" deriva do grego, charis. No grego secular, charis estava relacionado ao chairo, "se alegrar". Já em Homero, denotava "doçura" ou "atratividade".

Charis veio a significar "favor", "boa vontade" e "benignidade" - especialmente como concedido por um superior a um inferior.

No Novo Testamento, “graça” (156 vezes) assume um sentido redentor especial, no qual Deus disponibiliza seu favor em favor dos pecadores, que na verdade não o merecem.

Há uma tremenda ênfase no Novo Testamento sobre o fato de que a salvação humana é o resultado da graça do Céu. Essa linda verdade nunca deve ser minimizada. Ao mesmo tempo, não deve ser pervertida.

Infelizmente, com demasiada frequência aqueles com apenas um conceito superficial de graça sequestraram o termo e impingiram nele um sentido estranho ao ensino escriturístico.

Vamos considerar algumas das preciosas verdades da Bíblia associadas ao conceito de salvação pela graça.

A Graça é Para Todos

A graça de Deus foi oferecida a toda a família humana.
“Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens” (Tito 2:11).
Isso não pode significar que toda alma será salva. Tal conclusão contradiz numerosas outras passagens.

O que isto sugere é que a graça do Céu está potencialmente disponível para todos que se importam em acessá-la por meio do plano divino de redenção (Romanos 5:1; 6:3-4, 17).

Essa realidade está em conflito direto com a noção calvinista de que Deus, antes da fundação do mundo, escolheu apenas pessoas específicas para serem recipientes de sua graça.

A Graça e a Conexão do Conhecimento

O acesso à graça de Deus é por meio de um corpo objetivo de revelação. Paulo observou: 
“Porque a graça de Deus se manifestou. . . ensinando-nos” (Tito 2:11-12).
O cristianismo é uma religião ensinada. Isaías, falando da era messiânica, exclamou: “ele nos ensinará os seus caminhos” (Isaías 2:3). O próprio Jesus declarou:
“Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim” (João 6:45).
A graça de Deus não é dispensada de uma instrução que requer compreensão e obediência.

Nestes dias, quando há uma tendência a estampar as pessoas na igreja, com uma compreensão mínima do que estão fazendo, essa é uma questão crucial a ser enfatizada.

A Graça é Condicional?

Sim, a recepção da graça de Deus é condicional.

O calvinismo afirma erroneamente que a graça é concedida incondicionalmente pela vontade soberana de Deus. A Bíblia nega esse conceito.

O princípio é ilustrado pelo exemplo de Noé, que “achou graça aos olhos do Senhor” (Gênesis 6:8); e ainda, como mostra o escritor de Hebreus, o patriarca e sua família foram salvos preparando uma arca em obediência à instrução de Deus (Hebreus 11:7; Gênesis 6:22).

Jeová ofereceu a graça. Noé, pela fé, obedeceu ao Senhor e assim foi abençoado. Enquanto Deus estende a graça, os seres humanos devem estar dispostos a receber o favor (2 Coríntios 6:1).

A Graça Não é Merecida

A graça exclui o mérito.

Precisamos nos lembrar constantemente que a humanidade não é merecedora da salvação. Ninguém pode "ganhar" perdão por obras de mérito humano. Se assim fosse, poderíamos nos gabar de nossa redenção; entretanto, isso é impossível (Efésios 2:8-9).

Mesmo se alguém fosse capaz de realizar tudo o que Deus ordena, ele ainda deve se considerar um “servo inútil” (Lucas 17:10). Jesus ensinou que nossos pecados nos colocaram em dívida, e ninguém tem a capacidade inata de liquidar essa obrigação (Mateus 18:24-27).

Quando este conceito é verdadeiramente compreendido, o serviço ao Deus Todo-Poderoso fluirá com um frescor e zelo que revigora a alma. Sem dúvida, a falha em compreender o verdadeiro significado da graça é a razão pela qual muitos membros da igreja são espiritualmente letárgicos.

Como Posso Acessar a Graça de Deus?

A graça é acessada inicialmente no ponto da obediência do evangelho.

É chocante que tantas pessoas sinceras não estejam cientes do fato de que “graça” e “obediência” não são inimigas. Paulo afirmou que a graça é acessada pela fé (Romanos 5:1-2; Efésios 2:8-9).

Não é, no entanto, uma fé desprovida de amorosa resposta a Deus. É uma fé ativa (Tiago 2:21-26).
Considere este fato. Em Efésios 2:8, o apóstolo declara que alguém é “salvo pela graça através da fé”. Posteriormente, no mesmo livro, ele diz que os pecadores são “purificados pela lavagem da água pela palavra” (5:26).

"Salvo" e "limpo" representam a mesma ideia. Além disso, os estudiosos quase universalmente reconhecem que a "lavagem" é uma alusão ao batismo. É claro, portanto, que a recepção da graça, por meio do sistema de “fé”, inclui a imersão na água.

Novamente, note que a vida eterna é o resultado da graça (“graça da vida”, 1 Pedro 3:7, ou seja, a vida resultante da graça). Mas a pessoa experimenta essa “vida” quando é levantada da água da imersão (Romanos 6:4). O sistema de planos da graça do céu inclui obediência.

Para expressar o assunto de outra maneira, Cristo “nos salva, através da lavagem da regeneração [reconhecida como uma referência ao batismo], e a renovação do Espírito Santo”. No entanto, isso é equivalente a ser “justificado por sua graça”. (Tito 3:5, 7).

Obediência e graça não se opõem um ao outro.

Continuando na Graça

O estado de graça deve ser abraçado continuamente; do contrário, alguém cairá do favor divino, e sua recepção inicial da graça do Céu terá sido “em vão” (2 Coríntios 6:1; 1 Coríntios 15:10).

É incrível que muitos, que se identificam com o cristianismo, devam argumentar que é impossível para o cristão cair da graça de Deus.

Se alguém não pode sair da graça, por que Paulo exortou seus irmãos a “continuar [o tempo presente - perseverança sustentada] na graça de Deus” (Atos 13:43)?

As Escrituras alertam para certos cristãos que tentaram voltar ao regime Mosaico para a salvação. Como resultado, eles foram "cortados de Cristo" e "caíram da graça" (Gálatas 3:26-27; 5:4).

Conclusão

A graça é um conceito emocionante para a alma; deve ser profundamente apreciada, mas nunca manipulada ou distorcida.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem